Atlético-MG fica sem gorduras no Brasileiro

Antero Greco

27 de setembro de 2012 | 01h49

Tem torcedor do Atlético-MG com medo de que o título de 2012 possa ter batido asas com a derrota por 2 a 1 para o Flamengo (gols de Vagner Love/Liedson e Jô), na noite desta quarta-feira, no Engenhão. A preocupação procede, porque o time não depende mais apenas de seus resultados para superar o líder Fluminense, com quatro pontos de vantagem (56 a 52). Mas não é bem assim.

O Brasileiro não está decidido, mesmo com a folga que o Flu abriu, neste momento em que todos os times completaram 26 apresentações. Faltam 12 rodadas, são 36 pontos em disputa, e muita água vai rolar. Quatro pontos seriam diferença difícil de tirar se restassem só duas jornadas pela frente. Como não é o caso, ninguém deve desesperar-se.

Preocupa a oscilação do Galo. O Atlético teve ritmo forte até aproximar-se a virada de turno. Dali em diante não foi mais o mesmo. Para se ter uma ideia de como a turbulência anulou a folga que havia para os demais concorrentes, basta fazer retrospecto dos últimos 11 jogos: foram 3 vitórias, 3 derrotas e 5 empates. Ou seja, ganhou 14 pontos e perdeu 19. É muito.

O time é bom, mescla experiência e juventude, tem em Ronaldinho um ponto de referência e em Bernard, um de seus principais jogadores. E ele fez muita falta diante do Flamengo. Assim como Ronaldinho não foi tão eficiente. Sei lá, talvez tenha sentido um pouco a pressão e o apitaço do torcedor que lotou o Engenhão. O Atlético também depende dos gols de Jô, que ficou fora várias rodadas e mostrou, com o gol nesta quarta, o quanto pesa para a equipe.

O risco maior do Atlético-MG é abater-se. Não pode, não deve! Caiu nesse erro no clássico com o Fla. Ficou aquém do que mostrou na primeira parte da competição. Um time comum, e não aquele que envolveu adversários.

Precisa melhorar a toada, recuperar o ritmo forte, e deve levar em consideração que tem o confronto direto com o Flu, em 20 de outubro, em casa. Nesse jogo, quem sabe?, a diferença possa cair para um ponto ou até valer a ultrapassagem. Precisa rever o porquê da inconstância atual.

E, de quebra, pode torcer discretamente para o Flamengo, o carrasco deste meio de semana e que topa com o Fluminense no domingo. Se o Fla ganhar, terá prestado um grande serviço. E se livra de vez de ameaça de rebaixamento. No momento, tem 34 pontos e respira bem aliviado.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: