Aviso ao Botafogo: a Copa do Brasil já começou, mas pode acabar logo

Antero Greco

23 de fevereiro de 2011 | 22h13

O Botafogo foi a Aracaju, mas fiquei com a impressão de que não entrou em campo para jogar com o River Plate. O time carioca foi desatento, dispersivo e ineficiente – enfim, fez tudo errado e mereceu perder por 1 a 0 em sua estreia na Copa do Brasil. Agora, se vê obrigado a jogo extra, contra o rival sergipano, no Engenhão. E tome pressão.

Enganou-se quem imaginou um Botafogo mordido, por causa da eliminação na semifinal do Estadual do Rio. Em vez de partir pra cima, engatou uma marcha-lenta na maior parte do jogo, com um certo ar blasé, palavrinha enjoada, tomada por empréstimo dos franceses, para designar um certo desinteresse. Posso estar enganado, mas parecia acreditar na vitória quando achasse mais conveniente. Algo do gênero: “Primeira fase é barbada.”

Poderia ser, se a equipe de Joel Santana tivesse funcionado. Em raras ocasiões, o goleiro Max foi incomodado. Seu maior trabalho foi o de repor a bola em jogo. No mais, ficou a torcer por seus companheiros de linha. Vá lá, para não ser injusto, aos 10 minutos do primeiro tempo Max fez uma boa defesa em chute de Loco Abreu. Justificou o bicho pela vitória – se houver…

A dupla Herrera/Loco Abreu teve raras oportunidades de gol e ficou distante dos jogadores de meio-campo. Somália, Rodrigo Mancha, Bruno Tiago e Renato Cajá criaram pouco. No segundo tempo, Joel Santana colocou Caio no lugar de Renato Cajá e Everton em substituição ao lateral Márcio Azevedo, que desceu pouco ao ataque, assim como o lateral Alessandro.

Sorte do River, que tratou de se defender, saiu quando vislumbrou brecha e ficou no lucro com o gol de Bebeto Oliveira aos 41 minutos. Está na hora de o Bota acordar. Caso contrário, a Copa do Brasil vai terminar pra ele antes do que imaginava.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.