Bafafá no futsal

Antero Greco

17 de novembro de 2015 | 11h50

Crônica de Roberto Salim

“Na gafieira segue o baile calmamente, com muita gente dando volta no salão…

Tudo vai bem, mas eis porém que, de repente, um pé surgiu e alguém de cara foi ao chão…”

Parece que o velho samba “Piston de Gafieira”, cantado por Moreira da Silva, foi feito na medida para os últimos jogos da Liga Nacional de Futsal.

O que é para ser um espetáculo de muita plasticidade, jogadas incríveis, dribles impossíveis e defesas inacreditáveis, acaba virando um baile de quinta categoria no salão.

Primeiro foi o genial Falcão que perdeu a cabeça e cuspiu na torcida do Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul. Os torcedores exageram com xingamentos, líquidos suspeitos e “otras cositas mas”, porém o Falcão é o Falcão – ídolo nacional. Podia passar sem essa. No fim do jogo admitiu a culpa.

Mas o que aconteceu na noite de segunda-feira, no Centro Olímpico de Uberaba, não tem desculpa: nem para o time da Intelli, de Orlândia, nem para o policiamento do jogo realizado em Uberaba, nem para os seguranças contratados pelos organizadores, muito menos para as torcidas organizadas do Timão que se deslocaram até a cidade mineira.

Festival de selvageria.

Agressões estúpidas, em um ambiente cheio de crianças e mulheres – e, em muitos casos, mulheres e filhos dos próprios jogadores.

Toda essa turma citada tem culpa.

Tem.

Mas a culpa maior é de técnicos renomados e jogadores habilidosos, que se transformam em animais. São entradas desleais, pontapés, cotoveladas, verdadeiras agressões presenciadas pela arbitragem que assistia a tudo placidamente.

O comportamento dos reservas fora da quadra também é revoltante. Parece que são gladiadores prontos a entrar numa arena e não jogadores de futsal.

O ambiente contaminou a torcida.

E daí para o quebra-quebra foi um “tirico” – como dizem os mineiros.

Quando a polícia chegou.

Quando o jogo virou apenas um evento esportivo, aí sim pudemos ver as magníficas defesas do Guitta e do Edu, os dribles de Simi e Ciço, os gols de Gadeia, Douglas, Davis, Leandro e Elisandro.

O resultado da semifinal?

Intelli 3 x 3 Corinthians.

Na prorrogação o time de Orlândia obteve a classificação.

Essa turma deveria se preocupar apenas em mostrar sua arte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.