Bom retorno às provocações

Antero Greco

21 de janeiro de 2015 | 13h24

Oba, tem novidade boa no futebol. Qual? Eu conto. Leio que Dudu provoca e recebe o troco de Alan Kardec.

A história foi mais ou menos assim: o reforço mais badalado do Palmeiras afirmou que, se fizer gol em clássico contra o São Paulo, vai comemorar como se estivesse a tirar o chapéu. Seria uma referência ao “chapéu” que seu novo clube aplicou no tricolor ao surpreender e atropelar na negociação com o Dinamo Kiev. O tema tem sido motivo de gozação entre as torcidas.

Não demorou para vir a resposta de Alan Kardec, centroavante que “virou casaca” no ano passado, ao abandonar o barco verde e trocá-lo pelo são-paulino. O atacante garantiu que, se Dudu tiver a cara de pau de festejar de tal forma, também deverá aguentar uma “tirada de chapéu”, se o Palmeiras levar gol. Com a ressalva de que se trata de provocação sadia.

A observação de Kardec seria desnecessária em tempos idos. Cutucadas entre atletas sempre existiram e fazem parte do folclore do futebol, da promoção do espetáculo, do bom relacionamento entre profissionais que são rivais só dentro de campo. Cansei de ver apostas entre atletas que envolviam entrega de cestas básicas, pagamento de jantar, fora raspar o cabelo, a barba ou vestir alguma fantasia. A imprensa divulgava, o torcedor curtia.

Agora, com politicamente correto ou com ódios disseminados, as declarações de Dudu e Kardec podem ser tomadas como “desrespeito à instituição” (entenda-se “clube”), com direito a pronunciamentos irados de representantes de torcidas e puxões de orelhas de dirigentes e autoridades. Não duvido que tenha até reprovação de conservadores da imprensa.

Pois deixo um aplauso para os dois. Em primeiro lugar, pela sinceridade e por quebrarem protocolo tão rígido que cerca hoje em dia qualquer atitude de boleiros. E por resgatarem um pouco da rivalidade que é a essência do futebol.

Espero que não deem ouvidos a conselheiros caretas e levem o projeto adiante. E que marquem no próximo Palmeiras x São Paulo que houver.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Alan KardecDuduPalmeirasSão Paulo