Cássio, o maior e o melhor goleiro?

Antero Greco

10 de outubro de 2015 | 22h25

Provocou certo barulho a declaração de Cássio de que se considera o melhor goleiro do Brasileiro porque a defesa do Corinthians é a menos vazada. A lógica dele não é das mais consistentes, o que não lhe tira o direito de ter tão em alta conta a autoavaliação. Ora, se isso lhe faz bem, que mal há? Nenhum. Bem como não se trata de presunção, como tentaram enxergar.

Cássio, na verdade, não falou por falar. Não tirou a frase do nada; ela foi resposta a uma pergunta, durante entrevista coletiva, esses encontros corriqueiros e de praxe com os jornalistas, e dos quais em geral nada se tira de bom. Partiu para associação simples: se o Corinthians tomou menos gols, então o goleiro é bom.

Meia verdade. Cássio de fato dá conta do recado, e não é de agora. Não o vejo como um extraordinário representante da posição, não está no rol dos melhores camisas 1. Assim como não é cabeça de bagre, nem frangueiro. Passa confiança para os companheiros, com os acertos – e os erros – que todos costumam ter.

Cássio foi decisivo em diversas partidas do Corinthians – para citar uma, o clássico com o Palmeiras, em que defendeu cabeçada que daria o gol da vitória ao rival já nos acréscimos. Mas, em comparação com diversos outros goleiros, trabalha menos por jogo, porque as bolas adversárias custam a chegar. E por quê? Porque os que estão à sua frente o protegem.

Em geral, aparece mais, durante os jogos, goleiro de time com menos consistência defensiva. O que é óbvio. O que importa, porém, é a eficiência do goleiro, quando exigido, tanto faz se muito ou pouco. E nesse quesito não há o que reclamar de Cássio.

O Campeonato Brasileiro deste ano tem mostrado muitos goleiros bons, não só de times que estão na parte de cima – Victor, do Galo, e Grohe, do Grêmio são exemplos ­ – mas também de equipes que estão na parte de baixo da tabela.

Então, assim como Cássio, outros podem considerar-se os melhores. E não estarão a cometer nenhum pecado. Goleiro tem de ter astral lá em cima, às vezes mais até do que autocrítica.

Tendências: