CBF faz média com Corinthians e Fla. E o Santos?

Antero Greco

19 de agosto de 2011 | 17h11

A CBF sentiu o golpe das críticas recebidas pela convocação de Ronaldinho Gaúcho – e, vá lá, de Ralf – e anunciou nesta sexta-feira que o duelo entre Corinthians e Flamengo passa de 7 para 8 de setembro. Com isso, os dois jogadores terão mais tempo para voltar do amistoso da seleção com Gana, dia 5 em Londres, e não correm risco de desfalcar suas equipes. Supõe-se, pelo andar da carruagem, que o confronto valerá a liderança do Campeonato Brasileiro.

Muito bem, a CBF trata de limpar a barra também de Mano Menezes, que na entrevista de quinta-feira disse que não poderia olhar particularidades dos clubes, porque o foco era seleção, e ainda acrescentou que “uma rodada” não decide a competição.

O treinador esqueceu que os dois atletas, assim com os demais convocados que atuam no país, perderiam as rodadas marcadas para os dias 31 de agosto/1.º de setembro e 3/4 de setembro. A CBF deu uma recuada, ao adiar a apresentação dos jogadores chamados por Mano para o dia 2. Assim, jogarão a rodada de meio de semana. Menos mal.

Com a transferência da data do jogo entre as equipes com as torcidas mais populares do Brasil cria-se um problema adicional. No dia 8 de setembro, o São Paulo recebe o Atlético-MG no Morumbi. O jogo foi antecipado para as 18h00, enquanto Corinthians x Fla, no Pacaembu, começa às 21h50. A mudança de horário foi para evitar confrontos entre torcidas rivais a caminho ou na volta dos estádios.

Mais uma razão para os são-paulinos reclamaram, pois se trata de hora do rush na cidade e dificulta a locomação da torcida. E ainda assim dois jogos com times grandes no mesmo dia são motivo para deixar a PM paulista de prontidão. 

Mais do que Corinthians e Fla, quem pode sentir na pele os desfalques é o Santos. O campeão da Libertadores que vai mal das pernas na Série A cederá Danilo, Neymar e Ganso para o confronto contra o portentosa seleção africana. Isso significa que o trio ficará fora do jogo contra o Botafogo (dia 4 de setembro, na Vila). Se conseguirem voltar em tempo, jogam no dia 7 contra o Avaí, em Florianópolis.

A diretoria do Santos deveria pressionar a CBF e adiar essas partidas, mesmo com o risco de acumular seus compromissos, já que ainda tem pendentes duelos com Fluminense e Grêmio por causa das etapas decisivas da competição sul-americana. Mas a questão agora é mais delicada, pois com a pontuação que tem, com as derrotas que se acumulam, Muricy Ramalho e sua rapaziada flertam com a zona de rebaixamento. Mas o Santos terá coragem de peitar?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.