Corinthians, a maturidade de quem mira o título

Antero Greco

23 de setembro de 2010 | 02h24

O Corinthians mostrou na Vila, na noite desta quarta-feira, a tranqüilidade dos que sabem onde querem – e podem – chegar. O líder do Campeonato Brasileiro soube aproveitar-se do momento de turbulência do Santos, ganhou por 3 a 2 e manteve vantagem relativamente folgada sobre Cruzeiro e Fluminense. Na virada (perdia por 2 a 1), sobretudo, provou que tem a autoconfiança dos vencedores. É hoje o grande candidato ao título.

O grupo comandado por Adilson Baptista passa confiança para seu torcedor porque transpira solidariedade, seus atletas fazem o jogo de equipe, não há o predomínio da individualidade. Jucelei e Elias, por exemplo, continuam a ser os pilares do meio-campo, mas contaram de novo com o motorzinho Jorge Henrique e com alguns lampejos de Bruno César. Leandro Castan e Boquita foram batalhadores.

No ataque, Iarley coloca sua experiência em favor do conjunto e, mesmo a léguas de ser um Ronaldo, cumpre sua função de fazer gols – marcou mais um. O líder tem a melhor artilharia – 43 gols em 23 partidas. A defesa às vezes vacila, mas também executa seu papel e, com 24 gols sofridos, é das menos vazadas.

Talvez não seja um Corinthians vistoso – e por acaso há algum time que seja muito diferente? Existem pegadinhas no caminho do quinto título do Brasileiro, da mesma forma que Cruzeiro e Fluminense têm obstáculos sérios pela frente. Mas, ao conseguir vitórias como visitante – na semana passada passou pelo Flu no Rio (2 a 1) – pavimenta a estrada para a festa no final do ano.

O Santos precisa colocar a cabeça no lugar. Os últimos dias foram desgastantes e parece que vai demorar para retomar o prumo. Salvo reviravolta espetacular, 2010 terminou, com saldo que não é ruim: os títulos paulista e da Copa do Brasil. Hora de pensar seriamente nos desafios de 2011, a Libertadores é um deles.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.