Corinthians cura insônia

Antero Greco

10 de outubro de 2013 | 03h08

Desde criança a gente ouve falar que, para combater insônia, é bom recorrer para chá de melissa, leite morno, mel ou contar carneirinhos na cama. Agora, tem um método novo para chamar o sono, quando ele teima em não vir: jogos do Corinthians.

É tiro e queda. Basta sintonizar a tevê, ver se tem o Corinthians na telinha e ficar de olho. Dez, quinze minutos são suficientes para atrair os primeiros bocejos. Com meia hora, o sujeito dorme sono solto, embalado por narração monótona (e não por culpa do cronista) e terá sonhos tranquilos, rodeado de anjinhos.

Mas, os que forem resistentes e teimarem em acompanhar as proezas de Tite e seus rapazes, ficarão com congestão (em jogos de domingo à tarde) ou… com insônia, se o espetáculo (desculpe a ironia) for à noite. Como aconteceu nesta quarta-feira contra o Atlético-PR, que se deixou contaminar pela lerdeza e cedeu o terceiro lugar novamente para o Botafogo.

Tudo conspirou para acabar com a tranquilidade e a paciência do torcedor. O jogo foi em Mogi, começou às dez da noite, o estádio tem iluminação fraca e o time foi de uma indolência sem dó no primeiro tempo. Melhorou um pouco no segundo, mas insuficiente para arrancar suspiros ou o grito de gol de seus fiéis seguidores.

Uma chance aqui, outra acolá, e novo 0 a 0 para a extensa coleção no atual Brasileiro. O Corinthians é campeão, sim campeão, dos empates – foram 12 até o momento e ainda faltam mais 11 partidas até o encerramento da temporada. Dessa dúzia, 7 foram por 0 a 0. Os cinco restantes foram por entusiasmante 1 a 1. Vai ser econômico em gol assim na Conchinchina!

A empatite pegou de vez. O Corinthians continua a arrastar-se em campo, indolente, insosso, sem graça. O ritmo cadenciado vem de longe, com uma diferença: até o ano passado, vá lá, até o Paulista deste ano, ainda compensava com eficiência. O time vencia, avançava nas competições, conquistava títulos. O método dava resultado. Agora, só tédio.

Posso queimar a língua, sei disso, porque ainda há a Copa do Brasil. Pode ser, não duvido. Mas esse time anda a pedir uma mudança daquelas para 2014. E como.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: