Corinthians e Fla: os mais populares e invictos comandam classificação

Corinthians e Fla: os mais populares e invictos comandam classificação

Antero Greco

10 de julho de 2011 | 21h12

As duas maiores torcidas do Brasil andam prosas – e não é por acaso. Corinthians e Flamengo comandam a classificação da Série A, são os únicos invictos e acertam o passo. O alvinegro paulista conseguiu neste domingo a sétima vitória em oito apresentações, retrospecto pra lá de significativo. O rubro-negro carioca tem cinco vitórias e quatro empates. E isso é ruim?!

Nenhum dos dois é supertime. Aliás, não há uma equipe extraordinária hoje no futebol brasileiro. Mas líder e vice-líder são boas apostas para a briga pelo título deste ano, independentemente do que têm feito rivais como São Paulo, Palmeiras, Cruzeiro, Botafogo, Inter, Vasco e outros que continuam num sobe-e-desce danado. Corinthians e Fla têm mostrado maturidade e eficiência. Isso conta num torneio em que pesa a regularidade.

O Corinthians não foi brilhante no duelo com o Atlético, em Goiás. Mas foi seguro. Mesmo nos momentos em que sofreu pressão – na parte final do primeiro tempo – não perdeu o controle, não se afobou. Soube segurar o rojão, tocou a bola e, a partir do gol decisivo de Willian, não perdeu mais a vantagem. Tite conseguiu montar um time solidário, em que Ralf e Paulinho aparecem na frente para chutar e em que Willian, hoje Alex (mas regularmente Jorge Henrique) e até Liedson aparecem para combater. E Danilo renasceu.

O Atlético soube dar trabalho. E, apesar da situação delicada (tem 8 pontos e está entre os quatro últimos), mostrou potencial para reagir ao longo da competição. Polêmico o lance do final do primeiro tempo, na cabeçada de Anselmo que Julio César defendeu. Bela jogada, que deu a impressão de gol. Para alguns foi gol (eu achei) e para outros, não. Nem o tira-teima resolveu. Portanto, nada de pedradas nem para um lado nem para outro.

O Flamengo também mostrou serenidade que não ostentava no Campeonato Carioca (mesmo com título) e na Copa do Brasil. Não teve vida mansa contra o Flu, foi pressionado, mas resolveu a questão numa oportunidade no primeiro tempo, no gol de Williams, e provou que não será coadjuvante no Brasileiro. A defesa, antes seu ponto frágil, está acertada. Só Ronaldinho ainda não me convence. Bom primeiro tempo, mas desapareceu no segundo. Abel terá trabalho no campeão Flu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.