Corinthians e Ponte, empate em noite e jogo mornos

Antero Greco

12 de setembro de 2012 | 23h15

Desta vez não dá para falar que o Corinthians teve time misto, reserva ou coisa do gênero. Tite mandou a campo, na noite morna e agradável de quarta-feira, no Pacaembu, praticamente força máxima. Ficaram  fora Paulinho e Ralf, que são importantíssimos, é verdade. Mas o resto da turma estava lá.

E mesmo assim o campeão das Américas não foi bem diante da Ponte Preta. Arrancou o empate em cima da hora, mas ficou numa apresentação aquém do que mereciam os 21 mil torcedores que foram ao estádio. A propósito: excelente a resposta do público a todos os jogos do Corinthians no Brasileiro. Sempre bem acima dos demais.

No primeiro tempo, o Corinthians mostrou mais posse de bola, o que é bom quando se traduz em jogadas de perigo. Não foi o caso. Romarinho e Emerson deram pouco trabalho a Edson Bastos. A Ponte também não incomodou Cássio além da conta. Mas gostei do empenho. O time campineiro faz campanha interessante, e com méritos.

A Ponte esteve mais ligada na segunda parte do jogo. Acelerou, forçou, teve lances de gol anulados (acertadamente) e chegou à vantagem com Tiago Alves, aos 22, depois de receber bola ajeitada por Renê Júnior.  Na sequência, foi mais vezes ao ataque.

Só depois disso o Corinthians despertou, para chegar ao empate com Emerson aos 44 minutos, em jogada que começou com lançamento longo de Edenilson, que Paulo André desviou de cabeça. Resultado que não altera a situação intermediária de ambos na tabela.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.