Corinthians, uma vitória com boas novas

Antero Greco

22 de fevereiro de 2014 | 23h08

O Corinthians derrapou em várias rodadas do Paulista, se afundou na classificação, provocou a ira dos descontrolados de sempre. Aos poucos, se refaz, aumenta a pontuação no grupo, entra na briga por vaga. Enfim, coloca as coisas nos eixos, pelo menos no que se refere ao torneio estadual. O que, convenhamos, não é mais do que obrigação.

Outro sinal de reação acaba de ocorrer, com os 3 a 2 sobre o Rio Claro, na noite deste sábado, no Pacaembu. Vitória sem sufoco, embora também sem larga folga. Resultado normal, apesar de os gols sofridos ainda serem sintoma de que o sistema defensivo precisa de ajustes.

As boas novas ficaram para três jogadores: Romarinho, Jadson e Cléber. O atacante parece ter saído da sonolência do ano passado, fez dois gols e já tem cinco na temporada. Em 2013, marcou 6 (no ano todo). Jadson se mostra cada vez mais à vontade e está evidente que se transforma rapidamente em um dos homens de confiança de Mano Menezes. O Cléber, se tiver aproveitamento regular, formará a dupla de zaga com Gil, com Felipe fora.

Só essas constatações já servem, em minha opinião, para dar ao técnico um respiro na fase turbulenta que se seguiu às quatro derrotas e dois empates seguidos. Como tudo é questão de ótica, agora se pode dizer que o Corinthians tem sequência de quatro jogos de invencibilidade. Sei, sei, não é bem assim. Mas que ajuda a melhor o astral, ajuda.

Ah, por falar em astral: quem anda numa zica tremenda é Guerrero. O peruano corre, se desloca, passa, arrisca, mas não tem jeito de emplacar gol. O jejum incomoda e por pouco não foi quebrado neste sábado, desde que não escorregasse na pequena área, com gol aberto e permitisse o corte da zaga. Pelo menos, está com sorte no amor. O que já é grande consolo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.