Corinthians x Lusa: aquém do que o público merecia

Antero Greco

22 de julho de 2012 | 00h42

Gosto de jogos aos sábados à noite. Eu os vejo como uma opção de lazer, tão interessante quanto ir a um restaurante, a um show, a uma balada, a visitar amigos ou filar uma pizza na casa da sogra. Na Europa é rotineiro, e por aqui também foi, muito tempo atrás.

Mas há programas que se transformam em barca furada. Mais ou menos o caso de Corinthians x Lusa, disputado no Pacaembu. A temperatura esteve muito agradável, ao contrário do frio dos últimos dias em São Paulo, mais de 31 mil torcedores pagaram ingresso, dispostos a divertir-se. Muitos saíram frustrados, porque as duas equipes ficaram aquém da expectativa.

O Corinthians, sobretudo. E por quê? Porque é o campeão brasileiro e da América, porque atrai público, porque tem alguns dos jogadores mais em evidência. Quem esperava exibição pelo menos semelhante aos 3 a 0 diante do Flamengo, no meio da semana, foi embora insatisfeito. O Corinthians penou para arrancar um ponto de um adversário mais frágil.

Tite fez algumas modificações, a principal delas a presença de Edenilson no meio, no lugar de Danilo, com Romarinho e Emerson na frente. Não funcionou, tanto que a Lusa ganhou o duelo no meio-campo e foi para o intervalo com a vantagem, no gol de Heverton aos 29 minutos. Não funcionou também porque Paulinho jogou abaixo do que está acostumado a apresentar.

No segundo tempo, Tite voltou com Jorge Henrique na vaga de Edenilson e mudou o panorama. O próprio Jorge participou do lance de empate, aos 4 minutos, ao resvalar de cabeça falta cobrada por Douglas. Mas o gol foi para o meia mesmo. A Lusa sentiu, encolheu-se, teve dificuldade para criar e quase levou o segundo, num chute de Douglas no travessão.

O Corinthians interrompeu assim série de vitórias (tinha duas na sequência), continua na segunda metade da classificação, e se distancia dos líderes. Talvez não consiga o objetivo de brigar pelo título, como havia prometido Tite. A Lusa, em 15º, dá tímidos sinais de reação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.