Cris e a largada tensa com a camisa do Vasco

Antero Greco

18 de agosto de 2013 | 01h27

Tem jogadores que cativam a simpatia da torcida de cara, mesmo sem jogar. Viram queridinhos de graça. Outros mal chegam e já enfrentam resistência, do nada. Na primeira vacilada, tomam vaias, são xingados, se sentem pressionados. Tanto faz se são novatos ou se, ao contrário, têm rodagem mais do que táxi de cidade grande. Antipatia à primeira vista.

Por aquilo que se viu na noite deste sábado, em São Januário, o zagueiro Cris está na segunda categoria. O moço desembarcou no Vasco no outro dia, nem era para estrear, mas em cima da hora foi escalado para enfrentar o Grêmio, justamente o clube de onde saiu, depois de queimar-se com a torcida local. O técnico Dorival Júnior o colocou no lugar de Jomar.

Cris, 36 anos, muito tempo de Europa e vários títulos com o Lyon, foi pra batalha. Com cinco minutos e alguns segundos de bola rolando e com água caindo, ele tentou cortar um cruzamento, furou e deixou Barcos livre, de frente pro gol. O argentino não perdoou e deixou o Grêmio em vantagem. E os vascaínos também não perdoaram Cris e ficaram de marcação nele.

Resultado da incompatibilidade: Cris teve desempenho tenso, irregular, foi uma das notas negativas da equipe, na derrota por 3 a 2, e saiu de campo sob algumas vaias. Caramba, não deram desconto nem para a primeira aparição com a nova camisa! E não adianta clamar por justiça, pois a massa tem dessas reações impiedosas, sem nem direito saber por quê.

Talvez pelo fato de ter sido contra o Grêmio, alguém pensou que o Cris tivesse ido com pé mole. Já acho bem o contrário. Exatamente diante dos gaúchos é que ele queria mostrar-se superior, uma vez que teve de se mandar depois de algumas lambanças no Sul.

Deu azar, se enroscou, não pode se queimar na largada. Vai precisar de muito sangue frio, autocontrole e respaldo do treinador. Caso contrário, o acerto que fez até o final do ano vai se transformar em martírio em vez de redenção.  É, futebol às vezes é bênção; em outras, é carrasco.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: