Cruzeiro mostra força

Antero Greco

21 de abril de 2015 | 22h32

O risco existia, sobretudo pelo desgaste físico. Mas o Cruzeiro soube impor-se como bicampeão brasileiro, bateu o Universitário de Sucre por 2 a 0, garantiu classificação e avança para as oitavas de final da Libertadores como primeiro colocado do Grupo 3. O time boliviano, mesmo com a derrota, também se garantiu, beneficiado pela derrota do Huracan por 3 a 0 para o Mineiros, em jogo disputado na Venezuela.

Marcelo Oliveira teve de recorrer a muitos dos jogadores que no domingo à tarde saíram do Mineirão derrotados pelo Atlético e fora da disputa do título estadual. Mal tiveram tempo para digerir o tropeço local e se viram com o desafio de não decepcionar na competição maior.

E cumpriram bem o papel que se esperava deles. O Universitário tratou de fechar-se como possível, dificultou um pouco, mas resistiu só até os 37 minutos, quando levou o gol de Willian. Daí em diante, foi presa da equipe brasileira. Sem ação, e de olho no resultado da Venezuela, só tomou cuidado para não apanhar de muito. E saiu no lucro, pois ainda sofreu o gol de Leo, aos 11 do segundo tempo.

Com 2 a 0 em casa, com 2 a 0 do Mineiros (que depois fez o terceiro), o Cruzeiro se resguardou, o Universitário torceu e no final ambos saíram felizes e contentes.

O importante, no caso do Cruzeiro, era fechar a fase na primeira colocação (11 pontos) e afastar dúvidas que vieram à tona na decepção no Campeonato Mineiro. O resultado também serve para aplacar a ira da torcida, que pedia reforços, e para baixar a poeira, já que se questionava até a capacidade do treinador. Agora, terá mais tempo para preparar-se para as oitavas, embora o Brasileiro esteja por perto.