Didi, a folha-seca e a filha seca

Antero Greco

16 de novembro de 2015 | 14h45

Para os mais velhos, Brasil x Peru lembra as Eliminatórias da Copa de 58. Lembra a folha-seca, o inigualável chute inventado por Didi, na vitória por 1 a 0, no dia 21 de abril de 1957. Ele cobrou a falta, a bola cobriu a barreira, subiu e desceu, enganando o goleiro peruano Rafael Asca e espantando todos os 120 mil presentes ao Maracanã.

Na família do grande Didi a explicação para o chute cheio de veneno vem de um problema da infância. O menino Valdir Pereira machucou a perna, quando vivia em Campos, teve problema sério e foi curado pelo benzimento de sua avó. Restou um defeito, um pé menor que o outro. E ele teve de criar um jeito novo de bater na bola.

“Meu pai usava uma chuteira 40 e outra era 41 … quem amaciava uma das chuteiras era o amigo Zagalo”, conta Lia Hebe, uma das filhas de Didi, que mora na Ilha do Governador, no Rio, onde guarda com orgulho o troféu recebido por Didi em 1958, como o melhor jogador da Copa.

Ela acompanhou de perto a carreira do pai. “Eu queria jogar futebol, mas naquele tempo meu pai não quis, disse que não era coisa para menina”.

Lia tinha jeito para o esporte, era seca para jogar bola, tanto que seu principal incentivador era um tal de Mané Garrincha, que a ensinava a driblar – sempre que Didi não estava por perto, claro. Lia acabou mesmo jogando tênis. Viajou pelo mundo ao lado da família.

Morou na Turquia, onde o pai era adorado pela torcida do Fenerbahce. Morou no Peru, onde seu pai treinou o Sporting Crystal, e não podia pagar nem pãozinho na padaria. “Ele era idolatrado”.

Lia só não estava com Didi na Copa do México, em 1970, quando ele enfrentou o Brasil do banco de reservas. O bicampeão do mundo era técnico da seleção do Peru e o jogo, válido pelas quartas de final, terminou com vitória do Brasil por 4 a 2.

“Nesse dia meu pai chegou a chorar”, conta Lia, pois até hoje os peruanos desconfiam que Didi não passou tudo que sabia para seus comandados. “Infelizmente papai carregou essa tristeza pelo resto da vida”.

(Com Roberto Salim.)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.