Dérbi paulista honra a tradição

Antero Greco

17 de fevereiro de 2013 | 20h00

Corinthians x Palmeiras é o clássico que mais curto. Há outros confrontos paulistas importantes, que envolvem esses dois, além de Santos e São Paulo. Mas o dérbi é especial, já se falou disso tantas vezes. E a demonstração mais recente veio neste domingo, no empate por 2 a 2, no Pacaembu, pelo Campeonato Paulista.

Foi uma partida deliciosa de assistir, com resultado aberto e imprevisível até o fim. Pode não entrar para a antologia dos confrontos que ambos fizeram em quase 96 anos de história. Mas honrou a tradição, com gols, virada, lances interessantes. E felizmente com muito pouca polêmica.

O Corinthians, com praticamente força máxima, deu a impressão de que mandaria na partida e que a teria sob controle com facilidade. Tanto que em pouco mais de 18 minutos, fez o gol (Emerson) e mandou duas bolas na trave (Jorge Henrique e Guerrero). Estava bem distribuído, como sempre, e jogava com autoridade.

Mas o Palmeiras não se acanhou e resolveu ser altivo, como convém a quem tem camisa para honrar. Na base do esforço de formiguinha, com roubadas de bola e rapidez, foi à frente e empatou, com Vilson aos 30 minutos, numa bonita cabeçada. Daí até o final do primeiro tempo, equilibrou e esteve a ponto de virar.

Virada que veio no começo do segundo tempo, no levantamento de Wesley que Cássio não conseguiu cortar, numa enorme falha, e que sobrou na cabeça de Vinicius. A reviravolta no marcador acelerou mais o duelo, tocou nos brios do Corinthians. E o Palmeiras não aumentou a diferença porque Wesley, mesmo muito participativo, pecou por ser fominha em vários momentos.

O Palmeiras cansou e o Corinthians se valeu de um recurso que hoje tem de sobra: o banco de reservas. Tite colocou Romarinho e Pato em campo (saíram Alessandro e Guerrero) e os dois devolveram velocidade ao ataque. Tanto que participaram do empate final: Pato ao dominar lançamento longo e Romarinho ao marcar.

Enfim, foi um belo jogo, com resultado justo. E com desdobramento bom para ambos. O Corinthians teve uma preparação de força para iniciar caminhada na Libertadores. E o Palmeiras colocou em teste sua capacidade para reagir. Com resposta positiva.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.