Dia desastroso para zagueiros brasileiros

Antero Greco

15 de abril de 2015 | 17h57

Os dois jogos desta quarta-feira da Champions League foram empolgantes. Placares iguais e importantes, expressivos – 3 a 1 Porto em cima do Bayern e 3 a 1 do Barcelona sobre o Paris-Saint-Germain no campo francês. Os vencedores se encaminham para as semifinais.

Até aí tudo bem, e você vai ler muitos comentários e resumos dessas partidas. Mas quero ter olhar brasileiro, já que muitos de nossos patrícios estiveram em campo no Porto e em Paris. E um aspecto me chamou a atenção: a noite desastrosa para Dante, do Bayern, e David Luiz, do PSG. Ambos falharam em momentos decisivos e levaram baile de atacantes adversários.

Dante se enroscou no lance do segundo gol do Porto, ainda no início do jogo no estádio do Dragão (o antigo das Antas), e deixou Quaresma livre para concluir. O episódio o deixou desconcertado e houve outras falhas. David Luiz ficou vendido nos dois gols de Suárez que levaram o Barça a abrir diferença de 3 a 0. No segundo gol, tomou “caneta” na área. No terceiro gol, na intermediária, foi outra “caneta” do uruguaio. Daquelas de deixar o queixo cair. Chato pra caramba, ainda mais que ele estava na reserva e entrou na emergência, depois que Thiago Silva se machucou e teve de sair.

Coincidência? Sim. No segundo gol do Barça, Suárez também se divertiu com Marquinhos e com Maxwell, fez fila com os dois. Da mesma forma, Xabi Alonso e Boateng vacilaram em outros gols do Porto. Acontece, porém se trata de dois zagueiros de seleção brasileira, que estiveram em Copa do Mundo, vira e mexe lembrados em listas de convocados.

Sem dó. Fora isso, não há o que contestar nos resultados. O Porto engoliu o Bayern, desfalcado de gente como Robben, Ribery, Schweinsteiger, para ficar só em três titulares de peso. O Porto envolveu o campeão alemão, apertou na marcação, foi ágil no ataque e ainda contou com o colombiano Jackson Martinez, goleador que estava afastado por contusão. Ele fez o terceiro do time, que pode perder por 1 a 0 na semana que vem na Alemanha. Casemiro, do lado do Porto, foi um brasileiro que se destacou.

O Barcelona se impôs ao PSG na categoria, na qualidade do esquema e na individualidade de Messi, Xavi, Suárez, Neymar (autor do primeiro gol). Conteve toda iniciativa dos franceses, não fez com que o controle do jogo lhe escapasse dos pés. O gol que sofreu quase no final não altera grande coisa, pois pode cair até por 2 a 0, em casa, que segue adiante.