Domingo é dia de Neymar?

Antero Greco

14 de maio de 2011 | 02h03

Santos e Corinthians decidem o título paulista neste domingo. Na teoria, as chances são iguais para ambos, embora eu considere o alvinegro de Muricy Ramalho tecnicamente melhor do que o alvinegro de Tite. Há um ponto, porém, que pode tornar o jogo equilibrado: o Santos desgastou-se com duas viagens para jogos da Libertadores, recentemente, enquanto o Corinthians apenas treinou e descansou para as finais do Estadual. Pode tirar proveito disso.

O Santos, no entanto, tem um grupo bom, com jogadores talentosos como Elano, Arouca, Leo, Zé Eduardo (mesmo que não ande em boa fase). Mas sobretudo tem Neymar. O rapaz tem assumido a condição de líder do elenco, o que acelera o processo de amadurecimento. Embora seu visual continue a ser o de jovem que começa a sair da adolescência, o futebol tem crescido.

Ele assumiu a responsabilidade no clássico da semana passada e foi valente diante do Once Caldas, na quarta-feira. Com a ausência de Ganso, não ficou com medo de ser o centro das atenções – e, por extensão, o jogador mais visado e mais cobrado. Neymar abre espaços, atua como “garçom” quando necessário, dribla, arrisca chutes para gol. Faz tudo, enfim, o que se espera de um jogador em torno do qual existem só previsões otimistas.

Neymar também parece ter superado a fase de “menino mandão”. A trombada com Dorival Júnior, no ano passado, provavelmente serviu para ensinar-lhe a ser mais tolerante. Se isso é definitivo, não sei. Mas que ele mudou, não há dúvida. Conta ainda a presença de Muricy, um treinador com o qual não se permitiria vacilar, sob o risco de levar uma bronca daquelas.

O domingo pode representar a consagração da versão 2011, atualizada e melhorada, de Neymar, a maior estrela santista. Que brilharia mais, sem dúvida, se a seu lado tivesse Ganso, o parceiro ideal. Sorte do Corinthians. Mas será sorte mesmo?

Tudo o que sabemos sobre:

CorinthiansNeymarSantos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.