Doping, hipocrisia e alta performance

Antero Greco

04 de abril de 2016 | 21h47

O técnico chegou bufando ao coquetel que antecedia o debate sobre doping no estúdio da ESPN Brasil. Era o ano de 1999.

“Vocês não sabem com quem estão mexendo” – alertou o técnico, bravo, na época importante figura do esporte nacional.

Até hoje não sabemos o que ele queria dizer.

O debate era sobre as denúncias do médico Júlio César Alves, com consultório em Piracicaba, ortomolecular formado pela Unicamp. O dr. Júlio tinha dado uma entrevista em que admitia cuidar de 30 atletas de ponta do Brasil, que integravam várias equipes que iriam ao Pan de Winnipeg.

O doutor Júlio seria o entrevistado na mesa-redonda. E o técnico bravo era um dos atingidos pela denúncia: um de seus atletas era paciente dele.

E dr. Júlio sentenciava: “Ninguém sobe ao pódio se não estiver fazendo uso de substâncias proibidas pela lei do esporte…O resto é hipocrisia.”

A frase do médico piracicabano é definitiva: o esporte carrega emoção e histórias maravilhosas, mas é cercado pela hipocrisia comercial, que envolve obviamente o doping.

Vários casos explodiram no mundo desde então. O último com a musa Maria Sharapova.

Quando os inocentes de plantão pensavam que apenas os russos se dopavam, vem um “doutor Júlio britânico”, de 38 anos, para falar a mesma coisa 17 anos depois: o dr. Mark Bonar deu entrevista neste final de semana ao “The Sunday Times” para dizer que receitou EPO, hormônio de crescimento e substâncias proibidas para 150 atletas ingleses.

De ciclistas, tenistas, lutadores de boxe a jogadores de críquete e futebol.

E daí?

Daí que a agência britânica de controle de doping ( UKAD) recebeu denúncias contra o médico entre abril e maio de 2014 e não tomou providências. Será que alguém acredita que o esporte de alto nível é limpo? Será que algum técnico dos grandes times ingleses atingidos pela denúncia vão cercar o dr. Mark Bonar pelas ruas de Londres e mandar a frase?: “Você não sabe com quem está mexendo”.

Hipocrisia e alta performance andam de mãos dadas pelo milionário mundo do esporte.

(Com participação de Roberto Salim.)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.