E a seleção emperra a vida dos clubes. De novo…

Antero Greco

22 de setembro de 2011 | 13h24

 Sinceramente, cada vez menos tenho vontade de falar de seleção. Pode parecer má vontade, birra, perseguição, e juro que não é. Mas não dá para encarar com entusiasmo essas convocações para joguinhos lambe-lambes enquanto o Brasileiro pega fogo, seja na briga pelo título, na corrida por vaga na Libertadores ou na fuga do rebaixamento. 

 Há um punhado de times em busca da taça – até o Santos está vivinho da Silva – e lá vem essas listas que provocarão desfalques em duas rodadas importantes, na hora em que o torneio embica na reta final. O técnico Mano Menezes ainda se desculpa, ao afirmar que fez o possível para evitar danos maiores. Por isso, não chamou mais do que um por equipe daqui.

 E daí? O estrago sempre existirá e, o que é mais lastimável, times cederão titulares para que estejam disponíveis para enfrentar Costa Rica e México! É o fim da picada. O Fluminense, por exemplo, cederá Fred, enquanto o Flamengo dispõe de Ronaldinho Gaúcho. Ambos não se enfrentarão no Fla-Flu do dia 9.

 O Vasco não terá Dedé nos jogos contra Inter e Atlético-PR. O Santos fica sem Neymar para o clássico com o Palmeiras e para pegar o Atlético-MG. O São Paulo perde Lucas (eterno banco na seleção) para duelos com Cruzeiro e Inter. E por aí vai. Um jogador não faz falta, na avaliação dos responsáveis pela seleção? Claro que faz – e Mano sabe disso. Mas, como ele mesmo disse anteriormente, cada um que cuide de seus problemas.

 Por essas e por outras o torcedor se irrita com a seleção, algo inimaginável tempos atrás. Um símbolo nacional agora é visto como entrave para os clubes. Parabéns para quem cuida do futebol nacional por transformar uma paixão (a amarelinha) em motivo de raiva. Bom, esperar o que, se quem manda diz que se lixa de montão?

 PS. Nem vou entrar no mérito das convocações. A maioria é manjada, com casos inexplicáveis. O amor por Fernandinho, por exemplo. E o ‘esquecimento’ de André Santos, antes figurinha carimbada. Pelo menos Hernanes voltou, após meses de geladeira. No mais, la mesme chose…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.