E Ganso paga o pato…

Antero Greco

30 de agosto de 2012 | 10h54

O Santos não brigará pelo título, mas também não cairá para a Série B. A tendência é flanar, daqui até o final do campeonato, do meio para cima da tabela de classificação. Mesmo assim a torcida anda brava – e escolheu Paulo Henrique Ganso como vilão, na surra de 3 a 1 que levou do Bahia, na noite da quarta-feira, na Vila Belmiro.

O time jogou bem no primeiro tempo e foi um horror no segundo, quando tomou os gols que interromperam a série de três vitórias seguidas. A queda de desempenho foi acentuada e inexplicável. Como ninguém entendeu nada – e todo mundo ficou com raiva –, a saída foi pegar no pé dos jogadores. E, numa hora como essas, sempre aparece um alvo. Foi Ganso.

E por que o camisa 10? Essa é muito fácil: por ser um dos principais nomes da equipe e por estar num interminável cabo de guerra com a diretoria. E, claro, porque faz algum tempo que não tem jogado bem. Contra o Bahia fez o trivial variado e não brilhou em nenhum momento. Ou seja, um Ganso muito diferente e distante daquele que em 2010 provocou movimento em seu favor para que fosse lembrado por Dunga para o Mundial da África do Sul.

Os palavrões e as moedas que zuniram no ouvido de Ganso foram doídos, duros e malcriados. Porém justificáveis. O torcedor percebe que o Santos desanda, que o astro se arrasta e que a relação se desgasta de forma generalizada. E por erros de todos.

O clube pisou na bola, pelas cutucadas que tem dado no atleta, até por meio de nota oficial. Ganso, por manifestar repetidamente (se bem que agora menos) a insatisfação pela inexistência de um plano de carreira. E os representantes dele por forçarem, há muito tempo, saída da Vila Belmiro. O nó só aumenta, em vez de ser desfeito, e todo mundo perde.

O Santos se prejudica nos resultados, Ganso está desvalorizado e os agentes (empresários, investidores ou sei lá que nome tenham) vêm a galinha dos ovos de ouro botar só ovos normais – e sem “sustância”. Pior do que isso, e já que estou no trocadilho aviário, vai mais um: esse Ganso é quem paga o pato pela ma fase do time.

Nisso, passam batidos erros da diretoria, queda de rendimento de muitos dos companheiros do Ganso e decisões equivocadas de Muricy Ramalho. E o centenário tende a terminar apenas com a festa no Campeonato Paulista. Pouco, para quem desejava o mundo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.