E o Palmeiras enfim volta a vencer…

Antero Greco

22 de setembro de 2011 | 22h34

Demorou cinco rodadas, mas o Palmeiras voltou a ganhar no Brasileiro. O time de Felipão fez 1 0 no Ceará, na noite desta quinta-feira, no Canindé e continua fora do bloco principal, já que está em sétimo lugar, com 38 pontos, 8 a menos do que o líder Vasco. Mesmo assim, o resultado faz com que volte a sonhar com vaga na Libertadores do ano que vem.

O Palmeiras venceu, mas não teve futebol muito diferente do que vinha mostrando. De novo, passou a maior parte do tempo das bolas levantadas para a área pelo Marcos Assunção, sejam lançamentos, cobranças de falta ou de escanteio. O que é pouco para quem pretende ter maiores pretensões no campeonato. Para não parecer má vontade, vale registrar que o meio-campo foi mais participativo, a defesa ficou menos exposta e o ataque apareceu mais.

A consequência da postura mais alerta foi domínio no primeiro tempo. O Palmeiras deu raras ocasiões para o contra-ataque do Ceará, criou mais chances do que em apresentações recentes, deu trabalho ao goleiro Fernando Henrique e ficou em vantagem com gol contra de Thiago Matias, aos 43 minutos. O zagueiro desviou sem intenção cabeçada de Luan, após cruzamento de Márcio Araújo (olha aí, não foi o Assunção…)

No segundo tempo, o Palmeiras diminuiu o ritmo, teve mais dificuldade para superar a marcação cearense e só incomodou duas vezes: aos 2 minutos, numa bicicleta de Kleber que passou raspando o travessão e aos 41 minutos, com Maikon Leite (tinha entrado um minuto antes no lugar de Fernandão) tocando para o gol; Eusébio salvou em cima da risca. Os dois times reclamaram de pênalti por mão na bola – e ambos tinham razão porque houve as faltas.

Não foi partida para guardar na memória. Mas o fato de voltar a vencer pode recolocar o Palmeiras no rumo. E, como ninguém se dispõe a disparar na frente… O Ceará, com 27, está na região da pasmaceira, em que nada acontece. Porém, se aproxima da zona do descenso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.