E o Santos continua a rondar o G-4

Antero Greco

27 de setembro de 2015 | 13h44

Já há algum tempo tem sido agradável ver o Santos. O time instável e preocupado de começo de Brasileiro, foi substituído por outro atrevido e confiante. Essa versão prevaleceu no jogo com o Inter, na manhã do domingo, na Vila Belmiro. E, por ter postura mais ousada do que o adversário, pôde comemorar a vitória por 3 a 1 e a proximidade do G-4. O Colorado empaca.

Nenhum dos dois entrou em campo com força. Cada lado teve baixas importantes, por contusão, por suspensão ou por opção dos treinadores, pois no meio da semana tem rodada decisiva da Copa do Brasil. Nem por isso o clássico foi menos interessante.

A proposta de cada um ficou clara: o Santos disposto a manter aproveitamento impecável em casa, o Inter a contentar-se com empate ou com contragolpes. Nisso, aparentemente, se deu bem, porque abriu o placar com pênalti cobrado por Valdivia aos 26 minutos.

Com a vantagem, cometeu o erro mais comum no futebol: tirou o pé do acelerador para ver o que aconteceria. E o que aconteceu foi o empate, com Marquinhos Gabriel aos 35 minutos. O Santos terminou o primeiro tempo ligeiramente melhor e indo pra cima.

A toada se manteve na etapa final e foi suficiente para garantir a virada. A mudança veio com pênalti sobre Lucas Limas aos 12, que Gabigol cobrou. Daí em diante, o Santos não correu risco de levar o empate e ainda aumentou, quase no final, com Leandro aos 45 minutos.

Vitória de quem tentou vencer.

E uma dúvida ficou no ar: quem trouxe Anderson de volta ao Brasil? O moço parece que desaprendeu a jogar no período em que ficou na Europa…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: