E se Kaká voltasse para o São Paulo?

Antero Greco

28 de agosto de 2012 | 20h53

A situação de Kaká no Real está pra lá de delicada. Chega a ser constrangedora, sobretudo depois da reportagem publicada pelo El Pais, um dos principais jornais da Europa. O diário, que  tem sede central em Madri, contou no fim de semana que José Mourinho não quer saber do brasileiro. A ponto de ter sido grosseiro com ele e deixar-lhe como opção a porta de saída.

O treinador português foi forçado a voltar ao tema, em entrevista coletiva nesta terça-feira, e não escondeu desdém em relação a Kaká. Em primeiro lugar, não desmentiu o teor da matéria jornalística, o que já é indício de veracidade. Na sequência, alegou que o elenco será definido até sexta-feira, quando fecha o mercado, e falou que tratará Kaká como outro qualquer, se por acaso não aparecer nenhuma proposta tentadora para levá-lo embora.

Kaká representou investimento alto para o clube, que três anos atrás o tirou do Milan por 65 milhões de euros. E não rendeu o que se esperava. Teve problemas com contusões, operação e longo período de inatividade. Com a chegada de Mourinho, parecia ver aberto o caminho para a recuperação, mas tudo não passou de ilusão. O português logo se cansou dele.

Por temperamento cordial, e por estratégia profissional, Kaká evita o confronto. Não interessa para ele brigar com o chefe; ao contrário, o melhor é ter paciência e só ir embora se receber o que considera justo. Ou se vier uma proposta de trabalho tentadora. O Milan seria a alternativa natural, pois marcou época por lá. Mas os milaneses garantem ter desistido.

Por que não pensar, então, em retorno – e para o São Paulo? Senão agora, quando o mercado reabrir. O clube de origem é dos poucos que hoje têm cacife para bancar a contratação, a identificação com a torcida é grande e seria o meia que compensaria a tentativa (até agora frustrada) de contar com Ganso. Um indício de que o a volta para casa não está descartada é o fato de que parte da família de Kaká estaria a arrumar a mudança de Madri para São Paulo.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.