Éder Jofre, lenda do boxe, chega aos 80

Antero Greco

26 de março de 2016 | 12h42

Crônica do jornalista Roberto Salim

A luta estava difícil, e o menino Éder Jofre voltou para o corner no nono round sem conseguir respirar direito. O pai, o velho Kid Jofre, lançou mão da última instrução naquela noite: “Não vá envergonhar sua mãe, que está aqui na plateia!”

A mãe de Éder não estava na plateia do Grand Olympic Auditorium em Los Angeles coisa alguma, mas foi o que mudou o destino que se aproximava no assalto seguinte: voltou para o ringue e derrubou Joe Medel, numa das maiores lutas de todos os tempos.

Era o dia 18 de agosto de 1960.

Quando não precisava apelar, o velho Kid simplesmente gritava do cantinho do ringue: “Bate embaixo, salame!”

E como batia o Éder Jofre: uppers, ganchos, cruzados, jabs e tudo o que você possa imaginar. Tudo isso sem clinches ou qualquer outro tipo de artimanha.

Éder era um lutador puro. Fantástico.

Nascido numa família de lutadores.

A última luta de Éder como profissional foi contra o mexicano Otávio Famoso Gomez, em 1976.

Otávio chegou ao Brasil trazendo um violão e, após os treinos, cantava “La Bamba”. A luta prometia e o ginásio do Ibirapuera ficou lotado.

Foi uma luta fantástica. O mexicano era muito bom e deu trabalho a Éder que, aos 40 anos, já não tinha mais o mesmo fôlego.

Vitória por pontos, em 12 assaltos. Merecidíssima.

Mas Éder viu que era a hora de parar de “bater embaixo” – mesmo porque o velho Kid já tinha partido.

Estamos falando de um dos maiores lutadores do mundo, porque hoje, neste 26 de março, ele completa 80 anos.

Parabéns, campeão.

Tudo o que sabemos sobre:

BoxeBoxe BrasileiroÉder JofreKid Jofre

Tendências: