E a CBF é o Brasil que dá certo?

Antero Greco

03 de dezembro de 2015 | 20h47

“O Brasil que deu certo”

Ricardo Teixeira presidiu a CBF por 23 anos. De uma hora para outra, durante a preparação para o Mundial, largou tudo e deu no pé. Hoje, é um dos cartolas investigados pela polícia americana, sob acusação de corrupção.

José Maria Marin ficou no lugar dele – na CBF e no comando do Comitê Organizador do Mundial. Hoje, nos EUA, responde a processo em regime semiaberto, depois de passar meses preso na Suíça, acusado de corrupção.

Marco Polo Del Nero entrou no lugar de Marin na CBF, no segundo semestre de 2014. E também ocupou lugar na Fifa. Mal esquentou as cadeiras e também aparece na mira do FBI, acusado de corrupção. Não arreda pé do País por nada.

E lembrar que, antes da Copa, antes dos 7 a 1 para a Alemanha, Carlos Alberto Parreira cunhou uma frase, séria para ele, mas repleta de ironia. “A CBF é exemplo do Brasil que dá certo.”

E ainda confirmou e reafirmou…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.