Em Cuiabá, sinal de alerta pra Libertadores

Antero Greco

10 de maio de 2015 | 20h41

Corinthians e Cruzeiro estão proibidos de repetir, no meio da semana, o futebol que mostraram neste domingo na Arena Pantanal, na rodada inaugural do Brasileiro. Se se atreverem de novo a maltratar a bola e a jogarem com desleixo, vão entrar pelo cano contra Guaraní paraguaio e São Paulo. Os dois ficaram devendo, embora os paulistas tenham saído no lucro com a vitória por 1 a 0.

Há pouco a salvar do jogo em Cuiabá. Não vale nem a desculpa de que Tite e Marcelo Oliveira preservaram alguns titulares para o tira-teima que indicará o futuro das equipes na competição sul-americana. Com os elencos que possuem, é obrigação apresentar qualidade até com o mistão.

Não foi isso o que ocorreu. A partida teve combatividade baixa, mas não menos do que a criatividade, que beirou o zero, para decepção do público que paga caro pelo ingresso. O empate de 0 a 0 equivalia quase à nota para o desempenho geral de um lado e outro.

Quem quebrou a monotonia foi Àngel Romero, com o gol meio sem querer que marcou e definiu o placar. O rapaz entrou no lugar de Vagner Love, figura decorativa como tantas outras, correu e recebeu o gol como recompensa pelo esforço. E nada além disso.

Preocupa a incapacidade de times grandes como Corinthians e Cruzeiro sustentarem bom nível de competitividade ao disputarem dois torneios paralelamente. Como também levanta um sinal de interrogação a oscilação da dupla nas últimas apresentações. Ok, pode ser apenas uma fase. Tomara, mas a quarta-feira vai indicar o rumo para cada um no restante da temporada.