Festival de erros na vitória do Corinthians

Antero Greco

14 de fevereiro de 2015 | 19h34

O Corinthians mereceu bater o Botafogo por 2 a 1, no meio da tarde deste sábado, pela 5.ª rodada do Campeonato Paulista. Foi muito superior no primeiro tempo, cedeu espaço no segundo, e ainda assim no total esteve melhor. Mas não precisava passar sufoco e garantir o resultado só aos 49 minutos do segundo tempo, em cobrança de pênalti. Lance final de um jogo marcado por festival de erros do árbitro Marcelo Alfieri.

O juiz foi o personagem da partida, o que contraria a lógica do futebol. O desempenho foi desastroso, com falhas variadas, de pênalti inexistente (no primeiro gol corintiano), a cartão exagerado (para Fábio Santos) ou lateral invertido (para o Botafogo, que na sequência conseguiu o gol de empate). Perdido, prejudicou os dois times.

O Corinthians mistão – e sem essa frescura de “time alternativo” – se impôs logo na etapa inicial. Partiu pra cima do Botafogo com tudo e, em poucos minutos, Mendoza e Petros, por exemplo, desperdiçaram chances incríveis. Edu Dracena cabeceou uma bola na trave, Bruno Henrique também arriscou com chance. Uma saraivada.

O Botafogo tratou de se aguentar como pudesse, mas foi castigado aos 42 minutos pelo árbitro com o pênalti na dividida pelo alto entre Denis e Guerrero. Os dois se chocaram em jogada normal. Fábio Santos cobrou muito bem para marcar.

A compensação veio no comecinho do segundo tempo. A bola saiu para a lateral e era a favor do Corinthians. O árbitro até fez sinal. O Botafogo cobrou, ele mandou seguir, houve outro lateral e daí o gol de Rodrigo. O jogo ficou equilibrado depois disso.

O nó só se desfez com bola na área, aos 48, em que Guerrero subiu e Eli Sabiá o puxou pela camisa. Toque sutil, de leve, mas pênalti. No mínimo, menos discutível do que o primeiro. Fábio Santos de novo mandou para gol.

O Corinthians reserva comportou-se bem. Gostei de Dracena, de Mendoza (no começo), também de Christian (no primeiro tempo). Precisam de mais ritmo. Vagner Love entrou no fim, foi bem recebido, participou de um jogo perigoso e só. Também requer tempo.

 

Tendências: