Fifa muda? Só por pressão de patrocinadores

Antero Greco

31 de maio de 2011 | 19h40

Foi-se o tempo do cartola amador, aquele sujeito, em geral rico, que dedicava parte de sua vida na administração do clube do coração. Salvo exceções que soam como coisas do passado, hoje os dirigentes estão no futebol para faturar, direta ou indiretamente. O esporte mais popular do mundo virou negócio, business. Rola muito dinheiro, mais do que imaginamos. Amadores são só os torcedores – e olhe lá, porque tem “torcedor” profissional faz tempo…

Nada contra alguém faturar, desde que seja de forma transparente e honesta. Isso se aplica em qualquer atividade, incluído o futebol. Mas, quando surgem indícios de que tem mutreta a rolar por aí, é mais do que justo que se fique alerta. Por isso, provoca desânimo e desconfiança essa onda de acusações de corrupção a envolver figurões da Fifa. Os mandachuvas da bola, espalhados pelo planeta, estão a patinar em mar de lama.

O mais interessante é que o maremoto partiu de dentro pra fora. As denúncias não vieram de jornalistas futriqueiros, sempre interessados em encher a paciência dos nobres barões do futebol. A confusão começou com eles mesmos, com pessoal da casa, membros dessa imensa ‘família’. Tudo por causa do poder. O árabe Mohamad Bin Hamman bagunçou o coreto, com sua candidatura de oposição repleta de diretas contra Joseph Blatter, e não se sabe direito onde isso tudo vai dar.

Hamman está fora da parada na eleição de candidato único marcada para esta quarta-feira. Mas, se houver um resquício de seriedade, desdobramentos virão por aí. Não da parte da cartolagem, pois a confraria é forte e se autoprotege. Mudanças, se ocorrerem, serão provocadas por pressão de patrocinadores, pela turma da grana alta.

Tem empresa multinacional com imagem a zelar que se mostra, pelo menos aparentemente, preocupada com associações negativas que podem ser feitas por estarem ao lado da Fifa. Se não for por lisura, no mínimo é por medo do mercado que alguns desses gigantes do capitalismo podem entrar no circuito e exigir alterações. Embora eu tenha lá minhas dúvidas…

Só por interesses maiores, digamos assim, a Fifa poderia levar uma sacudida. Caso contrário, por muito e muito tempo, tudo ficará como está. E ora bolas para o torcedor!

Tudo o que sabemos sobre:

FifaJoseph Blatter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.