Fla tem desafio delicado. Palmeiras vai de missão impossível

Antero Greco

11 de maio de 2011 | 01h19

Dois grandes do futebol brasileiro correm risco nesta quarta-feira. Flamengo e Palmeiras, premiados com tudo quanto é título, estão em situação delicada na Copa do Brasil. Espera aí: estou sendo injusto. O Fla vive momento difícil na competição, depois de perder para o Ceará em casa por 2 a 1. O Palmeiras embicou na plataforma de lançamento e tomou o rumo do espaço com os 6 a 0 para o Coritiba, na semana passada, no Paraná.

O Flamengo coloca à prova seu elenco badalado, mas contestado, no duelo contra o Vovô, às 21h50, em Fortaleza. O campeão carioca vacilou demais no Engenhão e só não se enroscou de vez porque conseguiu ainda fazer um gol, quando perdia por 2 a 0. Não se encontra diante de barreira intransponível, a diferença nem é tão grande. O problema é que não tem mostrado futebol convincente, embora tenha sido sua única derrota até agora na temporada.

O técnico Wanderlei Luxemburgo sabe que o trabalho no Estadual será relegado a segundo plano, se não seguir adiante na Copa do Brasil. É o desafio pessoal do treinador, já que desde 2004 não conquista uma taça nacional (a última foi o Brasileiro daquele ano, com o Santos). Sob vigilância da torcida está também Ronaldinho Gaúcho, que desembarcou como estrela maior da companhia, no início do ano, e não tem feito exibições de encher os olhos.

O Flamengo pode chutar desconfianças para escanteio, se de fato for mais ousado e equilibrado. O Ceará está embalado, com o resultado da semana passada e com o título cearense. O ambiente só foi agitado pelo Nicácio, que andou pedindo muito para acertar e foi afastado do jogo. Que hora mais inadequada para o sujeito acertar a vida!

Vida confusa é a do Palmeiras. O time vinha bem, no Paulista e na Copa do Brasil. Em cinco dias, desmontou. Primeiro, foi eliminado pelo Corinthians nas semifinais. Depois, a sova histórica para o Coritiba. Tem maluco que acha possível o time viver uma noite de sonho e sair de campo com resultado mais improvável do que eu fazer a mega-sena. O máximo que tem de fazer é uma despedida honrosa, digna, para iniciar o Brasileiro menos abalado.

Estou de olho no Coritiba, que se ajustou na Série B, ganhou com um pé nas costas o Paranaense e pode dar salto de qualidade tremendo ao avançar na Copa do Brasil. Torço para que seja um dos destaques do ano. Quem sabe a começar pelo título da Copa do Brasil?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.