Flu derrapa e o Corinthians esfrega as mãos

Flu derrapa e o Corinthians esfrega as mãos

Antero Greco

19 de setembro de 2010 | 20h46

Não tenho nenhum constrangimento de afirmar que Fluminense e Flamengo fizeram um dos jogos mais empolgantes da edição deste ano do Brasileiro. Tecnicamente não foi um primor, mas não faltaram emoção e gols, que no fim das contas é do que o torcedor gosta. Ouvi rojões aqui por perto, assim que acabou o clássico. Desconfio que não foram tricolores nem rubro-negros perdidos em São Paulo que comemoraram os 3 a 3 do Engenhão. Esses fogos estavam com jeito de alvinegro centenário, cada vez mais folgado na liderança.

O Fluminense, sem Deco, concentrou esperanças em Conca, o solista que costuma dar ritmo ao time. Só que o argentino foi bem marcado por Williams, apareceu menos do que o habitual e não resolveu. O desequilíbrio veio das duas defesas, que falharam muito e foram decisivas para o festival de gols e alternância de placar. Sorte de quem esteve no estádio Olímpico do Rio. Aliás, não há jeito de ele lotar, mesmo com partidas atraentes… Mistério.

O Flamengo reage, o suficiente para diminuir as frustrações desta temporada. Já o Flu dá sinais de desgaste. Não é por acaso que conseguiu apenas 13 dos últimos 30 pontos que disputou. A esta altura deveria ver os concorrentes ao título bem longe. No entanto, com 42 pontos, está teoricamente a 2 apenas do Corinthians, que tem o clássico com o Vasco para disputar, em 13 de outubro.

As próximas três rodadas apontarão o rumo de Muricy Ramalho e seus jogadores – Atlético-MG na quarta no Engenhão; domingo tem Vitória no Barradão e no dia 29 recebe o Avaí. Se não ganhar as três, adeus ao sonho do bi nacional.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.