Inter, de grão e grão, ou de 1 a 0 em 1 a 0…

Antero Greco

01 de junho de 2016 | 22h40

Conhece o velho ditado do “de grão em grão a galinha enche o papo”? Pois ele pode aplicar-se ao Inter, com ligeira adaptação: “de 1 a 0 em 1 a 0, o Colorado chega ao topo”. Na terceira vitória consecutiva pelo mesmo placar mínimo, a rapaziada de Argel Fucks termina a quarta-feira na primeira colocação do Brasileiro, com 13 pontos. O Grêmio, com 10, enfrenta o Palmeiras no Pacaembu nesta quinta-feira.

Exibição de luxo, impecável, antológica por parte do Inter? Não. Desempenho normal, correto, como se dizia antigamente foi na conta do chá. Se não dá espetáculo, ao menos não leva muito sufoco. O Atlético até tentou engrossar, sobretudo no primeiro tempo, com marcação forte, sistema defensivo cerrado e alguns contragolpes. Num deles, Walter acertou a trave.

O Inter, que também não abre mão da segurança, teve dificuldade para passar pelo ferronho paranaense e só festejou aos 39 minutos, com o gol solitário e decisivo de Vitinho. Que, na prática, foi também o melhor em campo, porque não se limitou ao gol; ele também passou, arriscou chutes de longa distância. Enfim, destoou da média.

A dificuldade principal do líder está na construção de jogadas. Ferrareis e Andrigo tentaram, mas estiveram aquém, assim como Eduardo Sasha. Depois, entraram Aylon e Alex, na tentativa de dar mais criatividade ao setor. Sem grande alteração na prática. O Furacão, em contrapartida, voltou a mostrar limitação preocupante.

O Inter acumula gordura, o que é fundamental num torneio longo como a Série A nacional. Está invicto, levou apenas um gol até agora e frequenta o alto da classificação. Muito bom para dar confiança. A etapa seguinte deve olhar com atenção e carinho o ataque. Um time campeão precisa de sólido sistema defensivo – e ser eficiente na frente.

 

Tendências: