Inter se sacode e o Palmeiras encolhe

Antero Greco

09 de setembro de 2015 | 22h25

A ação mais bê-a-abá do futebol é a de que vence quem faz mais gols. E, para fazer gols, é preciso chutar. Se um time não finaliza, não marca. Simples e óbvio, não? Pois é, Marcelo Oliveira deveria ter passado esse conceito para os jogadores do Palmeiras, na partida com o Internacional, disputada na noite desta quarta-feira. A equipe paulista não tentou a sorte, não incomodou o goleiro Muriel e voltou para casa com outra derrota: 1 a 0, no Beira-Rio

O resultado fez com que os palmeirenses voltassem a empacar na classificação – e a tendência é a de ver o G-4 mais distante, à medida que o campeonato avança para o encerramento. Já os colorados sobem, depois de muito tempo na obscuridade, têm 34 pontos e fazem caminho inverso ao dos adversários deste meio de semana. É o vaivém do Brasileiro a todo vapor.

O jogo não foi grande coisa – ficou bem a impressão de que ambos se resguardam para os duelos que farão, nas próximas semanas, pelas quartas de final da Copa do Brasil. O Inter atuou com meio pique e o Palmeiras com menos do que isso. A ressalva para os palestrinos era a de que estavam sem um batalhão de titulares.

Atenuante, ok. Mas não justifica a oscilação da equipe há muitas rodadas. O Palmeiras vibrante, do início do trabalho de Marcelo, se transforma no time comum dos tempos de Oswaldo de Oliveira. Tanto que criou, a rigor, uma boa oportunidade para marcar em todo o jogo. Fora uma ou outra conclusão sem graça. Pouco, bem pouco para quem até a virada do turno se imaginava até na cola dos líderes da competição.

O Inter melhora – mesmo que também peque por não manter sequência forte. Saiu da apresentação apática na derrota diante do São Paulo para atitude mais positiva contra o Palmeiras. O mais interessante é que reencontrou Valdivia, que volta a ser fundamental, depois de passar um período meio em baixa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.