Inversão de lógica: Muricy é atração no São Paulo

Antero Greco

11 de setembro de 2013 | 19h10

Veja você como são as coisas no futebol: a atração, em geral, está no time, seja no todo ou em alguns jogadores mais expressivos. O torcedor vai ao estádio para curtir o que os atletas fazem dentro de campo. É assim desde que inventaram o joguinho de bola.

Mas a situação anda tão aflitiva no São Paulo que a lógica foi invertida. Para o jogo com a Ponte Preta, nesta quinta-feira, no Morumbi, nada de expectativa em torno de Rogério Ceni, Ganso ou Luis Fabiano. Houve explosão de procura de ingressos depois do anúncio da volta do treinador ao clube. O acerto foi na segunda, a apresentação na terça, os treinos na quarta – e a movimentação toda mexeu com a torcida.

Os 42 mil ingressos colocados à venda para a partida sumiram durante o dia. Antes, só uns gatos pingados tinham ido às bilheterias em demonstração fé e confiança na reabilitação. Com Muricy no comando, a esperança renasceu. Certamente, ele será o personagem principal na entrada do time no gramado. É também a boia de salvação na qual os fãs tentam agarrar-se, já que a sombra do rebaixamento preocupa pra burro.

Junta a fome com a vontade de comer, e o Morumbi estará lotado. E estádio cheio sempre é bom. Nem importa se os ingressos estão a preço de liquidação: R$ 2 para sócio-torcedor e R$ 10 para o público em geral. Promoção não se pode perder…

Quem não pode perder, de jeito nenhum, é o São Paulo. Com 18 pontos, está à frente apenas da própria Ponte (15) e Náutico (9), no fundo da tabela. Se ocorrer tropeço na estreia de Muricy, o medo subirá mais alguns degraus. E será iniciada a contagem regressiva para a B…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: