Jucilei pronto pra sair. E desmanche continua no Corinthians

Antero Greco

18 de fevereiro de 2011 | 19h14

O Corinthians está num processo de desmanche. A demolição do time começou meio na surdina, no final do ano passado, com a saída de Elias e com a aposentadoria do capitão William. E prossegue agora, após a eliminação na Libertadores. Roberto Carlos pegou o boné, sob a alegação de que era pressionado pela torcida, e Ronaldo pendurou as chuteiras. O próximo a sair é Jucilei, na iminência de transferir-se para o poderoso futebol do Daguestão.

O Anzhi Makhachkala, provável novo empregador do volante, é um desses times que se transformam em brinquedo de milionários. Pelo jeito, está nadando em dinheiro e faz qualquer coisa para aparecer, como convém a um novo-rico. Os agentes internacionais entram em ação e em geral vêm pescar por aqui. Jucilei ganhou projeção recentemente com convocações brasileiras e lá se vai para fazer seu pé de meia. Vai sumir do mapa, ou mais adiante reaparece em time de maior projeção. Em último caso, se não der certo, faz meia-volta volver, como acontece a todo momento.

O destino de Jucilei interessa a ele e a seus parentes. Que seja feliz e aproveite a oportunidade. A questão é o futuro do Corinthians. Em menos de três meses, perde cinco titulares – e na minha opinião Elias e Jucilei eram os mais importantes – e fica muito desfigurado. O que há para substituí-los no meio-campo? Com quem Tite poderá contar? Ralf e Paulinho sempre foram dois bons coadjuvantes, não sei se aguentam o tranco. Sobre eles recairão esperanças e cobranças dos torcedores? Me parece demasiado.

E o que mais tem o Corinthians, que sua diretoria vendeu no ano passado como um elenco de primeiríssima? Castán não compensa (pelo menos ainda) a ausência de William e Chicão se sente sobrecarregado. Na lateral-esquerda, para o lugar de Roberto Carlos há o Marcelo Oliveira, que tenta dar conta do recado, mas não tem a categoria do recém-despachado pentacampeão. Liedson no ataque tapa a brecha deixado por Ronaldo – e talvez seja mais eficiente, pois nos últimos tempos o Fenômeno fazia mais figuração.

Restam ainda Dentinho (com altos e baixos), Jorge Henrique (batalhador, mas também instável), Danilo (que já é olhado torto pela torcida), Bruno César (de revelação a 2010 a banco em 2011), Ramirez (acabou de chegar), além das promessas Morais e Willian. O goleiro Júlio César está jogando muito – isso pode servir como compensação, mas não é muito animador.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.