Liedson vira estrela solitária no Corinthians

Antero Greco

18 de fevereiro de 2011 | 01h20

O que é a vida. Liedson andava meio esquecido no Sporting e já na maturidade da carreira volta de Portugal para tornar-se estrela. Agora praticamente a única num time com a importância e o peso do Corinthians. Com a saída de Roberto Carlos e de Ronaldo, a esperança do torcedor alvinegro recai sobre ele. Com 33 anos, corte de cabelo estiloso, pegou a bucha de canhão, depois do furacão provocado pela eliminação na Taça Libertadores.

Pois foi Liedson quem desatou o nó com os gols na vitória por 2 a 0 sobre o Mogi Mirim, na noite desta quinta-feira, em jogo atrasado do Campeonato Paulista. Na hora em que os torcedores já ensaiavam pegar no pé da equipe (o alvo da vez foi Danilo), pelo desempenho sonolento, ele chacoalhou o Pacaembu, aos 27 minutos (aproveitou rebote) e aos 41 (numa bobagem do goleiro João Paulo que dominou a bola na área e tentou driblá-lo). Com dois que marcou contra o Ituano (4 a 0), na estreia, já tem 4. Bom.

Os dois lances praticamente foi o que de melhor aconteceu numa partida que levou o Corinthians a 16 pontos em 8 rodadas e o deixou perto do líder Palmeiras (19). Mas a atuação da equipe na primeira aparição após a aposentadoria de Ronaldo certamente preocupou o técnico Tite. Insossa, sem graça e dispersiva são adjetivos que definem a exibição.

Uma equipe sem velocidade, pouco criativa e travada. Que começou a soltar-se com a saída de Danilo (vaiado) aos 10 minutos do segundo e com a entrada de Dentinho. O treinador ainda teve lampejo de ousadia ao tirar Jucilei (que pelo jeito vai acompanhar Roberto Carlos no Daguestão, que nem sei direito onde fica) e colocar Morais, talvez como forma de prepará-lo para ser titular em pouco tempo. Ramirez ainda não se firmou.

Enfim, um Corinthians que deu para o gasto. Na medida exata do Paulista, que não pega nem no tranco. Pelo menos por enquanto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.