Lusa brinca de roda com o Corinthians

Antero Greco

29 de setembro de 2013 | 23h59

A Portuguesa parecia mortinha, até semanas atrás. Pode reparar que, na maior parte das listas de prováveis rebaixados, constava o nome dela. Derrotas e empates roubavam-lhe um bocado de pontos e o destino da Segundona surgia implacável.

A ameaça não está distante de tornar-se ultrapassada. Basta que continue, por mais algum tempo, com o pique apresentado em setembro. Nos sete jogos disputados neste mês, ganhou cinco, perdeu dois. Os 15 pontos a tiraram do fundo do poço e a lavaram ao meio da tabela (31), à frente do Corinthians, a quem derrotou por 4 a 0 neste domingo em Campo Grande.

E vitória com autoridade, construída no primeiro tempo, com três gols de Gilberto, o fantástico. Gols que vieram com naturalidade, por méritos da Lusa e por desintegração do Corinthians. Os times inverteram papéis, pois os campeões do mundo jogaram como se estivessem ameaçados de queda, enquanto os rivais se comportaram com altivez. Até o intervalo, parecia brincadeira de roda com a Portuguesa no comando.

A Lusa não deu chance para os corintianos reagiram. Nem no segundo tempo, depois de Tite ter feito algumas substituições, como a entrada de Pato no lugar de Paulo André e Jocilei na vaga de Igor. O goleiro Lauro passou o jogo todo em branco. Ou quase: foi decisivo ao pegar pênalti cobrado por Guerrero, na primeira fase, quando a vantagem era de 2 a 0.

Com os corintianos desesperados em busca pelo menos de um golzinho de honra, houve espaço para o quarto, com Wanderson. A Lusa de Guto Ferreira transformou de saco de pancadas em equipe a ser temida. Se a eficiência será mantida, não se sabe. O importante é que, no momento, as coisas andam nos trilhos no Canindé. Já o bonde alvinegro…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: