Magno Alves, o goleador pacífico

Antero Greco

10 de abril de 2016 | 19h42

Tem jogador que faz gols, mas cria ambiente ruim no grupo. Tem centroavante que faz gols, mas fala mais do que joga. Tem artilheiro que faz gols e quer aparecer mais que os companheiros.

E tem Magno Alves, o Magnata.

Aos 40 anos, ele continua fazendo história. Em sua segunda passagem pelo Fluminense marcou neste domingo o gol de número 119, em 300 partidas disputadas. Números que enchem de orgulho qualquer profissional, ainda mais com a idade dele.

A façanha aconteceu na partida contra o Volta Redonda, que terminou com placar de 2 a 0 e levou o Flu às semifinais do Carioca. O contrato de Magno vai até o fim da temporada e é impossível alcançar o maior goleador da história do Clube das Laranjeiras: o inigualável Waldo, com 319 gols.

Também não dá para ameaçar Orlando Pingo de Ouro, com 184. Mas já deu para alcançar Ézio, na 10.ª colocação dos goleadores tricolores. Quem sabe sob o comando de Levir Culpi consiga ultrapassar Washington (124) e Preguinho (128). Principalmente agora que Fred se indispôs com o treinador e disse, segundo as publicações cariocas: ‘Ou ele ou eu’.

Tomara Fred faça as pazes com Levir. Mas Magno Alves também vai seguir balançando as redes.

Só para completar a história: Fred é o terceiro da lista dos goleadores, com 167 gols.

(Com colaboração de Roberto Salim.)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.