Mano diz que Neymar descansa na seleção. Um gozador

Antero Greco

18 de setembro de 2012 | 21h46

Há certas declarações que, ao ouvi-las, devemos interpretar em tom ameno, como gozações. Caso contrário, ou seja, se as levarmos a sério, ou ficamos com raiva ou nos sentiremos otários. Ou os dois sentimentos negativos juntos, o que é mais comum.

É o caso de afirmação feita por Mano Menezes, nesta terça-feira, a respeito de Neymar. Alguém perguntou ao treinador se o astro santista não se desgastava com tantos compromissos com a seleção que o tiram do clube. No tom monocórdio em que se especializou, o professor disse que Neymar descansa na seleção.

E explicou: o jovem talento, nos momentos em que está a serviço da pátria de chuteiras, não se preocupa com atividades paralelas. Não tem a atenção desviada para nada além de treinos, concentração e jogos. Portanto, repousa, ao contrário do que se alardeia. E acrescentou que não abre mão do craque, por ser imprescindível em seu esquema.

Ora, a primeira parte da explicação parece verdade, mas não é. Trata-se apenas de um jogo de palavras, um sofisma – e cai nele quem quiser, por ingenuidade ou por interesse.

Mano dá um nó na lógica, na tentativa de convencer que seleção é mais importante do que clube. Nunca foi, não é agora, e cada vez o será menos. No máximo, é em alguns períodos bem específicos – me arriscaria a afirmar que, atualmente, só durante a Copa. Em amistosos e em tantas competições caça-níquel, se transformou em estorvo.

A base do futebol são os times. Eles atraem público fiel, eles mexem com a paixão, eles movimentam dinheiro, eles revelam e projetam jogadores a serem fisgados pelas seleções. Seleção não sobrevive sem a matéria-prima fornecida pelos times. Os times podem sobreviver, e muito bem, sem seleções.

É um despropósito o Santos recorrer a manhas, artimanhas e carambolas para segurar o jovem e vê-lo, na atual temporada, mais com a camisa da seleção do que “de casa”. Neymar disputou mais jogos pela seleção, recentemente, do que pelo Santos. Isso está errado. Ou estou vendo coisas?

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.