Milan a caminho do título pra livrar a cara de Berlusconi

Antero Greco

28 de fevereiro de 2011 | 20h46

O Milan foi um dos pilares em torno dos quais Silvio Berlusconi construiu fama como homem público. E uma vez mais, como ocorreu com frequência nos últimos 25 anos, o time pode servir para melhorar sua imagem. Pelo menos é para isso que ele torce. O primeiro-ministro da Itália vive o pior momento na carreira política, vai a julgamento em abril por aliciamento de menores, mas a compensação está no futebol. A equipe que presidente desde 1986 lidera o campeonato e abriu vantagem com os 3 a 0 sobre o Napoli, na noite desta segunda-feira, no encerramento da 27.ª rodada.

Berlusconi esquentou o duelo do Estádio San Siro com mais algumas de suas observações provocadoras e preconceituosas. Jornais italianos garantem que, em almoço com correligionários do PDl (partido de direita que está na sua base de sustentação parlamentar), ele teria dito que “árbitros comunistas” querem prejudicar a equipe para atingi-lo. Falar de esquerda é uma obsessão para o premiê, que costuma classificar como “vermelhos” os magistrados que se metem a vasculhar suas ações públicas e privadas.

O presidente licenciado do clube também via, para a noite desta segunda-feira, um duelo do “Milan contra o Sul”, na enésima referência ao preconceito que há no Norte do país com os trabalhadores que vêm das áreas menos favorecidas, sobretudo de Nápoles para baixo. Ou seja: uma bobagem atrás da outra, com ótima resposta de Aurelio De Laurentiis, presidente da squadra napolitana: “Berlusconi é um showman.” Para não dizer outra coisa.

Pois será que Berlusconi vai chamar Gianluca Rocchi de “comunista”? O árbitro do jogo optou por dar pênalti em lance em que Aronica tocou a bola com a mão, aos 3 minutos do segundo tempo. Ibrahimovic cobrou, fez 1 a 0 e fez o Milan respirar, depois de primeiro tempo amarrado e sonolento. Daí em diante, o líder da Série A mandou e ainda teve tempo para consolidar o resultado com gols de Pato e Boateng. Desta vez, nem Cavani (vice-artilheiro com 20 gols) conseguiu dar vida ao ataque do Napoli.

Ao bater um concorrente direto na briga pelo scudetto, o Milan foi a 58 pontos, 5 à frente da Inter (que vem subindo) e seis de vantagem sobre o Napoli. O Cavaliere, como Berlusconi gosta de ser chamado, deve ter ficado satisfeito com a surra na gentinha do Sul. Pobre Itália.

Tudo o que sabemos sobre:

BerlusconiItáliaMilanPato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.