Mitos falham: Rogério Ceni que o diga

Antero Greco

16 de agosto de 2012 | 01h38

Mitos do futebol falham? Falham, e quando isso acontece fico feliz. Não pela falha em si, que é desagradável e não quero mal pra ninguém. Mas porque, ao falharem, se revelam humanos e não semideuses, como muitas vezes os vemos e como eles próprios às vezes se enxergam.

Rogério Ceni é um símbolo, ícone, referência do São Paulo. O jogador mais idolatrado pela torcida tricolor. Ficou um tempão fora, em recuperação de contusão, e seu retorno foi encarado como a solução para os males do time.

No entanto, ele tem vacilado em alguns momentos, como de resto a equipe toda. E nesta quarta-feira fez um raro gol contra, o último, na derrota por 3 a 0 para o Náutico, fora de casa. Saiu para esmurrar a bola, em cobrança de escanteio, mas ela pegou efeito estranho e foi morrer dentro das redes. Ele olhou para um lado, para outro e ficou todo sem jeito.  Tão sem palavras, que saiu sem comentar a mancada. Calou-se a respeito. Acontece.

As coisas andaram tão estranhas para Rogério  Ceni que até cobrança de falta dele provocou confusão. No final do primeiro tempo,  arriscou na bola parada, sua especialidade, e ela passou tão perto que deu a impressão de ter entrado. Quase ele mesmo vibra pela ilusão de ótica.

Não foi por falha no terceiro gol que o São Paulo perdeu (e Rogério ainda salvou o quarto, numa defesa difícil em cabeçada de Araúo). Foi também por aquilo. A equipe de Ney Franco caiu mais uma vez porque não consegue firmar-se, oscila mais do que Bolsa de Valores em tempos de crise, está mais inclinada do que a Torre de Pisa.

O sistema defensivo é ponto frágil. Ney percebeu que o enrosco seria grande e com pouco mais de dez minutos tirou o zagueiro João Filipe e colocou Casemiro para ajustar o setor. Não adiantou nada, o time continuou entortado e fechou o primeiro tempo praticamente batido, com os dois gols que tomou: Kieza, de pênalti, e Araújo.

O gol contra de Rogério foi apenas para fechar uma conta salgada, pois o São Paulo foi envolvido pelo Náutico também na etapa final. A ponto de não ter incomodado o goleiro Gideão. Ney terá muito trabalho. E a torcida terá sua paciência testada. Com 25 pontos, 14 atrás do Atlético-MG, o tricolor pode despedir-se da briga pelo título antes da virada de turno.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.