Ney mostra coerência ao barrar Lúcio

Antero Greco

19 de março de 2013 | 22h04

Ney Franco deu mais uma prova de que não pretende ser engolido pela imagem de bonzinho. Ao manter Lúcio fora do São Paulo, mesmo depois de cumprir suspensão, reforçou o recado de que não vai aceitar interferências e cara feia no seu trabalho. O zagueiro não joga contra o São Bernardo, nesta quarta-feira, pelo Paulista.

Lúcio é um dos que mostraram contrariedade com substituição. Na semana passada, não escondeu frustração, ao deixar o jogo com o Arsenal, na Argentina, e nem esperou o fim do jogo para ir para os vestiários. Em seguida, se desculpou e aparentemente o episódio disciplinar foi superado. Antes dele, Ganso tinha feito bico no clássico com o Palmeiras.

Ney alegou que a opção por Edson Silva e Rafael Tolói se baseia em critérios técnicos. De fato, ambos foram bem diante do Oeste, no fim de semana, e merecem ser mantidos. Lúcio tem experiência pra dar e vender, mas não vive bom momento. O treinador o escolheu como exemplo de que não vai olhar para nome na hora de escalar. Não vejo essa medida como birra, mas como firmeza.

A questão é saber se estará preparado para mais cobranças dos torcedores. Ney entrou naquela fase em que tem escolhas contestadas, mesmo as acertadas. Se vai resistir ou não, o tempo dirá. Ou melhor, os resultados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.