Novela se resolve só no capítulo final

Antero Greco

28 de novembro de 2010 | 20h34

O Brasileiro de 2010 tem enredo que mais parece telenovela. Há heróis, vilões, armações, traições, suspense. E, como nos folhetins eletrônicos, o mistério se resolverá apenas no capítulo final. Ficou para o próximo domingo a grande revelação: quem ficará com a taça de campeão. O Flu, com 68 pontos, é o mais cotado para fechar o ano com festa. O Corinthians tem de fazer a parte dele e ainda torcer contra o tricolor. A tarefa do Cruzeiro é ainda mais árdua: tem a sua tarefa e se vê obrigado a secar os outros dois.

Flu e Corinthians seguiram o script anunciado durante a semana. Ganharam, sem fazer muita força. Afinal, toparam com adversários desinteressados ou desanimados. O líder pegou o Palmeiras ainda sob o efeito da ressaca da eliminação na Sul-Americana. Fora o susto inicial, provocado pelo gol marcado por Dinei, mandou no jogo na Arena Barueri e fez 2 a 1 com folga. Só não teve diferença maior a seu favor porque Deola pegou muito e honrou a tradição de bons goleiros de seu clube. Mesmo assim, Fred, Deco e Emerson cansaram de perder gols. Já os coadjuvantes Carlinhos e Tartá tiveram melhor pontaria e garantiram o resultado.

O Palmeiras jogou dentro do limite – não amoleceu, mas esteve longe de se matar em campo. Até levar o gol da virada, quando tinha a bola dominada ensaiava ir à frente. Se perdesse a bola, não se esfolava no combate para recuperá-la. Depois de ficar em desvantagem no marcador, jogou a toalha de vez e o clássico virou uma monotonia só. Felipão reclamou com seus jogadores, que trocavam passes como se estivessem vencendo. Ninguém deu bola pro técnico. O Flu só ficou cercando o galo (no caso, o periquito) e percebeu que não precisava dar bote nenhum. Ficou no aguardo do apito final. Nas arquibancadas da Arena Barueri festa das duas torcidas.

O panorama no Pacaembu não foi muito diferente. O Corinthians notou logo que o Vasco seria apenas sparring e que não queria encrenca em fim de ano. Por isso, mandou no jogo, que se transformou numa sucessão interminável de jogadas de ataque contra defesa. Bruno César comandou o time, criou os melhores lances e abriu o marcador aos 40 minutos. Danilo botou o rival a nocaute com um gol na etapa final. A Fiel chegou a comemorar o gol do palmeirense Dinei, mas deixou o estádio com a pulga atrás da orelha. Na semana que vem, terá de acreditar em Papai Noel para ter o título no ano do centenário. O Flu joga em casa contra o rebaixado Guarani. O Corinthians pega o Goiás, outro que caiu e que está ligado na decisão da Sul-Americana.

Pior para o Cruzeiro. A equipe mineira sofreu para fazer 2 a 1 no Flamengo, também de virada. Diego Maurício abriu o placar para o campeão de 2009 e Roger empatou no primeiro tempo. Thiago Ribeiro fechou a conta na segunda etapa. O próximo obstáculo, por assim dizer, é o Palmeiras, mais apático do que nunca. Se eu tivesse de fazer uma aposta apenas, seria no Flu. Com boa possibilidade de me dar bem. Mas, sei lá, este torneio é tão esquisito…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.