O Corinthians continua a abusar da sorte

Antero Greco

13 de novembro de 2011 | 20h28

O Corinthians depende apenas de seu esforço para ser campeão do Brasileiro pela quinta vez? Óbvio, por isso está na liderança. Mas não dá para proporcionar sustos seguidos em sua torcida na reta final da competição. Tem sido assim nas últimas rodadas – na maioria das vezes com vitória, mas obtidas no sufoco, na bacia das almas. Aconteceu contra Cruzeiro, Avaí e neste domingo diante do Atlético-PR. Os 2 a 1 acabaram sendo chorados…

O tira-gosto alvinegro no Pacaembu lotado foi espetacular, pois em menos de cinco minutos abriu a vantagem de 2 a 0, gols de Paulinho e Emerson, consequência de belas tramas em velocidade. Deu a impressão de que transformaria o Furacão em ligeira Brisa. E até que manteve essa sensação boa no primeiro tempo, em que foi superior e mais decidido.

Veio a segunda parte e se repetiu filme manjado. O Corinthians aos poucos diminuiu o ritmo, passou da quinta para a quarta marcha, depois botou a terceira, engatou a segunda, a primeira e quase ficou em ponto morto. Levou o gol de Paulo Baier aos 3 minutos, viu duas bolas explodirem na trave, deu o primeiro chute depois dos 20 minutos e teve criatividade perto do zero. Os minutos finais, já sob forte chuva, foram mais de angústia e menos de festa. O Atlético, à beira da Série B, merecia melhor destino neste domingo

 A queda no desempenho é evidente. Tite e seus colaboradores podem alegar que o desgaste é geral e que não há um elenco tinindo a esta altura do ano. Mas quem lidera uma competição tem a maré a seu favor, a pressão é menor do que a daqueles na rabeira. O futebol deveria fluir com naturalidade. E não é isso que se vê no Corinthians. Não mantém regularidade.

A sorte está do lado alvinegro, enquanto a incompetência da maioria dos concorrentes também dá o ar da graça (Botafogo, Flamengo e Fluminense estão quase fora dessa corrida). Mas, se o Corinthians não fizer sua parte com mais eficiência, pode ver-se abandonado quando menos esperar. E faltam quatro rodadas até o encerramento…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.