O Rei

Antero Greco

23 de outubro de 2015 | 16h51

O futebol é lindo, em todos os tempos. A cada geração, surgem ídolos, muitos entram para a galeria dos ídolos.

Sou apaixonado pelo joguinho de bola, há mais de cinco décadas.

Neste meio século, tive a felicidade de ver em ação Garrincha, inigualável.

Ademir da Guia, o Divino.

Pepe, Rivellino, Zico, Zito, Tostão, Gerson, Djalma Santos, Gilmar, Marcos, Romário, Careca, Luis Pereira, Leivinha, Dirceu Lopes.

Vi Coutinho, Pagão, Ronaldo e Ronaldinho.

Rivaldo, imenso.

Adílio, Andrade, Jairzinho, Servílio, Julinho Botelho.

Carlos Alberto, Roberto Carlos, Mazinho, Raí, o doutor Sócrates.

Vi Eusébio (sim, pude ver a joia da coroa lusa), Bobby Charlton, Beckenbauer, Cruyff, Platini, Baggio, Van Basten, George Best.

Maradona, brilhando em Copas do Mundo, também vi. Assim como vi Figo, Zidane, Gullit.

Hoje, vejo Messi, Cristiano, Neymar.

E vi PELÉ.

A maior felicidade da vida foi a de acompanhar grande parte da carreira de Pelé.

Privilégio, graça divina, uma das razões para amar esse danado de esporte bacana.

Edson Arantes do Nascimento, Pelé, o Rei do Futebol, primeiro e ainda único.

Craques há muitos no futebol e muitos surgirão.

Pelé, só há um.

E, que honra!, é brasileiro.

Viva o Rei, em seus 75 anos! Vida longa ao Rei!

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.