O Santos pôs as mangas de fora. Os outros que se cuidem!

Antero Greco

21 de setembro de 2011 | 23h03

E não é que o Santos tomou gosto pelas vitórias?! O campeão da Libertadores engatou uma quinta e vem subindo a ladeira, depois de escorregar demais no primeiro turno e patinar na zona baixa da classificação. Na noite desta quarta-feira, bateu o América-MG por 2 a 1, em sua sexta vitória nas últimas oito rodadas (além de dois empates). Tem 35 pontos e ainda dois jogos para disputar (contra Grêmio e Botafogo). Pode sonhar, por que não?

Não foi moleza bater um rival que está na área da degola há muito tempo. O Coelho mineiro deu trabalho no primeiro tempo, segurou o Santos, mandou uma bola na trave e exigiu pelo menos uma defesa complicada de Rafael. As jogadas mais criativas do time paulista – e, assim mesmo, poucas – surgiam dos pés de Neymar, sempre bem marcado.

Mas foi o talento do astro santista e o oportunismo de Borges que começaram a mudar o jogo. No início da etapa final, Neymar cavou escanteio, que cobrou na cabeça do artilheiro do Brasileiro. Só que o Santos não pôde respirar, porque o América foi à frente e empatou com Kempes, ao aproveitar rebote de Rafael. A vitória veio com Edu Dracena, depois de bola desviada por Alan Kardec, de novo em cobrança de escanteio de Neymar.

O Santos cresce sem alarde. E, se mantiver o ritmo, em cinco rodadas estará embolado no pelotão de frente. O time se estabiliza, com números pra lá de satisfatórios: foram 16 gols marcados nas últimas oito rodadas (aquelas da série de invencibilidade), contra 8 sofridos. Finalmente, um dos candidatos ao título nacional bota as manguinhas pra fora.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.