O São Paulo escancara fragilidade

Antero Greco

20 de julho de 2013 | 23h41

O São Paulo dá medo, provoca calafrios e raiva na torcida. Impressionante como o time desandou, de um tempo pra cá. É inseguro, não acerta uma, se perde com facilidade. Aos primeiros sinais de força do adversário, se descontrola em todos os aspectos – físico, emocional, tático. Virou saco de pancadas, no início do Campeonato Brasileiro, acumula fiascos, flerta com a zona de rebaixamento. Um horror.

O episódio mais fresco dessa fase terrível veio na tarde do sábado, com os 3 a 0 para o Cruzeiro em casa. Quem foi ao Morumbi, e não torcia para a equipe mineira, viu um vexame tricolor. Mais um, a sétima derrota em seguida, somados jogos oficiais e amistoso. E dez partidas sem vencer, por causa de empates anteriores.

O Cruzeiro nem precisou desdobrar-se além da conta para chegar ao que antigos locutores e redatores definiam como o “placar clássico” (3 a 0). O São Paulo resistiu na etapa inicial, que nem foi lá grande coisa para ambos os lados. Mas, assim que levou o primeiro dos três gols marcados por Luan, desabou como castelo de cartas. Desmontou, ficou sem forças. Os outros de Luan vieram com mais facilidade ainda.

Paulo Autuori ficou com cara de tacho, à beira do gramado, sem saber muito o que fazer. Tirou Denilson, Luis Fabiano, Osvaldo, na tentativa de reanimar a equipe. Não adiantou nada. Talvez resolvesse alguma coisa se tirasse os outros oito. Como a regra ainda não permite a mudança total, teve de contentar-se com aquilo. Adiantou? Nada.

Continuo a afirmar que o São Paulo não cai. Por mais paradoxal que pareça, tem atletas com qualidade para evitar o suprassumo da humilhação. Pode até ficar lá pela parte de baixo da tabela, mas se uma turminha aí jogar um poco que seja, consegue safar-se.

Porém, não é absurdo, já a esta altura da temporada, cogitar-se de descenso de um time que tem seis Brasileiros, três Libertadores e três Mundiais. Absurdo tão grande quanto aquilo que cartolas têm feito para bagunçar uma história brilhante.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: