Palmeiras cresce e flerta com a ponta na Série B

Antero Greco

13 de julho de 2013 | 01h47

Na partida anterior, o Palmeiras fez 4 a 0 no Oeste, em Presidente Prudente. Na volta ao Pacaembu, lascou 4 a 1 no ABC, na noite desta sexta-feira. Assim, ganha confiança na escalada que pretende resultar, em dezembro, no retorno à Série A em 2014. No momento, está em segundo lugar (18 pontos), e cercado de rivais catarinenses – da líder Chapecoense (19), ao Figueirense (16) e ao Joinville (15).

O jogo com o lanterna da Segunda Divisão foi um bom início de fim de semana para os palestrinos. Temperatura agradável na noite paulistana, 30 mil torcedores no estádio e uma vitória sem grande esforço. Dentro do previsível – e da obrigação também.

A tarefa ficou encaminhada já no primeiro tempo, com os belos gols de Wesley e Luís Filipe, e se consolidou na segunda etapa, com Vinicius, de pênalti, e Serginho, com um lindo toque por cobertura. Gilcimar descontou, quando não adiantava nada.

Duas goleadas em seguida empolgam, é claro, e não vale o argumento de que ocorreram diante de adversários frágeis. São concorrentes da Série B, a mesma que o Palmeiras hoje disputa. Se tivesse sido eficiente em 2013, teria continuado na elite. Ou seja, os desafios que tem pela frente são aqueles reservados para a condição em que se encontra.

Importa a conquista de vaga para a elite no ano do centenário. Para tanto, o estágio atual tem de servir como laboratório, como etapa preparatória para saltos firmes no futuro. Gilson Kleina não pode perder a oportunidade de consolidar o time e, por tabela, também fixar o prestígio como técnico para equipes de renome.

O Palmeiras mostrou aspectos positivos, como outra apresentação satisfatória de Valdivia, desempenho seguro de Wesley, o crescimento de Vinicius, o entrosamento do meio-campo com o ataque. Falta afinar o sistema defensivo.

Há progressos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.