Palmeiras e Botafogo enfrentam dilemas

Antero Greco

23 de agosto de 2012 | 01h35

O Botafogo venceu, mas não levou. O Palmeiras perdeu e segue adiante. Mas, após os 3 a 1 da noite desta quarta-feira, no Engenhão, os dois times ficam no dilema: o que fazer daqui até o final da temporada. Para o alvinegro carioca, restou só o Campeonato Brasileiro. Para o alviverde paulista, está mantida a perspectiva de um troféu inédito, mas há o risco de queda para a Série B, por causa dos maus resultados no torneio nacional.

Não é simples a missão de nenhum dos dois. O Botafogo apostou em Seedorf como chamariz para público e patrocínio, além de conquistas, é claro. Não tem obtido sucesso em nenhuma dessas tentativas.

O torcedor tem dado resposta negativa (menos de 5 mil foram ao jogo pela Sul-Americana), não houve ainda retorno publicitário por causa da vinda do holandês, veio a desclassificação na competição internacional e a briga pelo Brasileiro praticamente foi para o espaço, já que neste momento está a 15 pontos do líder Atlético-MG (42 a 27).

De quebra, o técnico Osvaldo de Oliveira tem sido contestado. Como foi também na vitória sobre o Palmeiras. O Botafogo saiu na frente, com gol de Seedorf (em jogada em que Lucas estava impedido), mas tomou o gol de empate (Patrik). No segundo tempo, pressionou, mas sem ser ousado. Fez outros dois gols (Renato e Lodeiro), mas não abriu mão da cautela. Deveria, e poderia, ter sido mais atrevido.

O Palmeiras nem festejou a classificação, porque vive um momento delicado. No Brasileiro, tem 16 pontos em 18 rodadas, perdeu dez vezes e está a meio passo de voltar para a zona de rebaixamento. Precisará de campanha de recuperação forte, no returno, para não viver a experiência amarga da Segunda Divisão, como em 2003. E o número de contundidos não para de crescer: agora, as baixas são Roman e Patrik.

Por outro lado, é tentadora a possibilidade de avançar na Sul-Americana, ter outro título (este ano ganhou a Copa do Brasil), o que o faria terminar o ano no lucro e além da expectativa. Eis um desafio para Felipão, seus rapazes e os dirigentes. Como conciliar a perspectiva de glória numa frente e a ameaça de fiasco em outra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.