Palmeiras horrível. Ótimo para o Coxa

Antero Greco

29 de novembro de 2015 | 20h57

Quem quiser, pode alegar que eram reservas. Isso não altera nada: era o Palmeiras em campo e foi horrível diante do Coritiba, no começo da noite deste domingo. Mereceu perder por 2 a 0, em casa, por causa da bola murcha. E o pior: deixa a torcida preocupada para o clássico de quarta-feira, com o Santos, pela Copa do Brasil.

Marcelo Oliveira optou por dar descanso aos titulares – no que fez bem, pois no meio da semana vale taça e o planejamento para 2016. Só que a turma que entrou no gramado molhado do Allianz foi de doer. Os erros dos principais jogadores se repetiram, com fragilidade na defesa, falta de criatividade no meio e ataque desaparecido. Horror.

O Palmeiras parece ter desaprendido, depois de fase boa no meio da temporada. Não incomodou o Coritiba e ainda deu espaço para tomar um gol em cada tempo – Juan aos 23 minutos do primeiro e Henrique Almeida aos 49 do segundo. Comportou-se como se jogasse fora de casa.

A Copa do Brasil pode vir – não está perdida, apesar da vantagem santista com o 1 a 0 da ida. Mas é incompreensível que um time perca 15 vezes no Brasileiro, tenha 50 pontos, 30 a menos do que o campeão. E com as duas dezenas de contratações que foram feitas.

Melhor para o Coxa, que não tem nada com a história, foi a 43 pontos e precisa de mais um, diante do Vasco, para manter-se sem depender de nenhum outro resultado na última rodada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.